Voltar para Artigos

As virtudes burguesas

Uma "libertária humanizada", como se autodefine, Deirdre McCloskey é uma das grandes defensoras da liberdade de pensamento, de atitude e, principalmente, de escolha. É a partir da liberdade, defende, que surgem as mudanças econômicas: "Foram ideias e mudanças de atitude que geraram o nosso enriquecimento".

Sua teoria, desenvolvida ao longo de três livros já lançados, a trilogia chamada Era da Burguesia, ressalta a importância dos valores da burguesia nos séculos XVII e XVIII. Em artigo, Raúl Candeloro aborda a primeira obra da trilogia, em que a economista desmistifica a ideia de que uma vida dedicada ao comércio é uma vida menos ética ou digna. Pelo contrário, McCloskey aponta as virtudes da burguesia, que seriam o fundamento para compreendermos o desenvolvimento do mundo.


As virtudes burguesas | Raúl Candeloro

Deirdre McCloskey é um caso único no mundo dos economistas. Não apenas por ter começado a vida como Donald McCloskey (transformou-se em Deirdre depois de uma operação de troca de sexo), mas principalmente por ser uma das vozes de mais autoridade e conhecimento a questionar os métodos matemáticos pretensamente “científicos” de economistas. Ela também adora dar alfinetadas na linguagem rebuscada que os economistas usam para, segundo a professora, parecerem mais inteligentes e cultos do que realmente são.

deirdre mccloskey

Professora de Economia e História na Universidade de Illinois, em Chicago, McCloskey defende que o capitalismo tem sido atacado de maneira injusta, por uma mistura de ignorância e interesses políticos por parte de pequenos grupos. Ela é da opinião (da qual, pessoalmente, compartilho) de que o capitalismo foi, de longe, o melhor sistema econômico criado até agora para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

O problema, segundo ela, é que se passou a ter uma visão utilitária do ser humano a partir do século XIX – ou seja, que o ser humano só fica mais feliz se tiver mais bens materiais. Entretanto, ainda de acordo com McCloskey, as raízes verdadeiras do capitalismo são outras – a ética de Aristóteles e as virtudes cristãs. Ao trocar essas raízes pelo utilitarismo, começou a enfatizar os bens materiais em troca do resto, causando muitos dos problemas que vemos hoje.

Para ajudar na solução do problema, a professora lançou um livro chamado As Virtudes Burguesas. São sete, e deveriam servir como base para a vida de qualquer profissional.

1) Prudência – Não apenas para comprar barato e vender com lucro, mas também para trocar e não invadir, para calcular as consequências e para perseguir a excelência com competência.

2) Temperança – Para economizar e acumular, lógico. Mas também para entender que devemos acumular não apenas dinheiro e bens, mas sim conhecimento sobre a vida e o mundo dos negócios, para ouvir com humildade nossos clientes, para resistir à tentação da desonestidade, para sempre perguntar se não estamos comprometendo nossos valores.

3) Justiça – Para insistir na propriedade privada honestamente conquistada. Mas também para ter a coragem de pagar bem quem trabalha bem, para honrar o esforço do trabalhador, para acabar com privilégios, para valorizar as pessoas pelo que fazem, para alegrar-se e aceitar sem inveja o sucesso dos outros.

4) Coragem – Para tentar novas formas de fazer negócios. Mas também para vencer o medo de mudar, receber com educação e cortesia as novas ideias, encarar o trabalho com alegria e orgulho.

5) Amor – Para realmente importar-se com funcionários, sócios, colegas, clientes, fornecedores e outros cidadãos. Para querer bem a humanidade, encontrando maneiras de celebrar com produtos e serviços vendidos no mercado o valor do ser humano.

6) Fé – Para honrar sua comunidade e seu negócio. Mas também fé para construir monumentos que celebrem nosso passado, que sustentem e reforcem nossas tradições tão bonitas de comércio, de ensino e de religião.

7) Esperança – Para imaginar uma maneira melhor de fazer as coisas. Mas também a esperança de ver o futuro não como algo estagnado ou sempre se repetindo, mas como algo que pode ser modificado através do trabalho, do propósito e da dedicação. Dessa maneira, o trabalho deve ser encarado como um chamado glorioso para cumprirmos nosso papel no mundo.

Tudo que eu dissesse a partir de agora só estragaria a sabedoria dessas sete virtudes tão bem descritas pela professora Deirdre McCloskey. Mas, se repensarmos o capitalismo (e, no processo, a forma como nossas empresas trabalham) usando essas virtudes como referência, com certeza teremos muito mais sucesso – financeiro, social e humano. Justamente o que o Brasil mais precisa neste momento.

(Via Administradores)


Raúl Candeloro é formado em Administração de Empresas e mestre e empreendedorismo pelo Babson College. É responsável pelo portal www.vendamais.com.br e diretor do Instituto VendaMais.