Voltar para Notícias

Conversa com Camille Paglia: “As jovens merecem e precisam pensar sobre o seu futuro"

A convite do Fronteiras do Pensamento e do Centro Ruth Cardoso, Camille Paglia participou de conversa, no CRC, nesta terça (15), com mediação da escritora Bruna Lombardi.

Paglia, que veio ao Brasil para conferência no Fronteiras do Pensamento São Paulo (16), abordou diversos temas sem medir palavras e sem temer a quebra de tabus. Confira abaixo algumas de suas principais ideias:

ARTE
“A intuição da mulher tem uma base na biologia, eu realmente acredito nisto. As mulheres sabem quem são, são mais conscientes da sua condição e equilibradas mentalmente. A busca pela própria identidade leva as mulheres à arte."

“As mulheres não são grandes destruidoras, por isso não houve uma grande artista mulher. Picasso era um grande destruidor e devido a este componente ele se tornou tão genial artisticamente."

JOVENS CONTEMPORÂNEOS
“É uma geração de jovens que não sabe nada sobre a realidade humana. É patético. Um dia, eles sofrerão um choque ao se depararem com a verdade."

“Taylor Swift é uma grande figura na cultura atual e ela está retrocedendo. O que aconteceu com as meninas e com as ideias que existiam? O que as meninas da nova geração querem para seu futuro? É preciso perguntar isso a elas já na escola. As jovens merecem e precisam pensar sobre o seu futuro."

RIQUEZA
“A riqueza traz preguiça. Jovens ricos são muito acomodados. Temos esta realidade hoje nos EUA. Eu vejo isto nas aulas. Meus alunos são muito educados, mas não têm uma cultura geral histórica, eles não sabem nada de política, não estão interessados."

RELIGIÃO
“Eu não gosto da forma como as universidades contemporâneas desprezam a religião de forma simplista. Toda a vez que a religião é ignorada, ela aparece de outra forma. Esta não é a solução."

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
“O homem que bate na mulher é patético, porque utiliza a violência como uma forma de poder, sendo que, na verdade, quem o controla é a mulher. Já as mulheres, poderiam ir embora mas não vão. Elas se tornam cuidadoras de homens arrependidos. É uma dependência doentia a mulher ter recursos para ir embora e não partir."