Voltar para Notícias

Deirdre McCloskey defende liberdade para inovar e crescer

Anselmo Cunha / Especial GaúchaZH
Anselmo Cunha / Especial GaúchaZH

Para alcançar avanços econômicos e enriquecimento para a sociedade como um todo, a liberdade é o primeiro pré-requisito. Em torno de tal convicção, Deirdre McCloskey estruturou sua fala na conferência desta segunda-feira (6), no Fronteiras do Pensamento Porto Alegre

Na fala, intitulada O grande enriquecimento, a economista norte-americana fez uma ampla retrospectiva histórica, comparando o desenvolvimento de diversos países ao longo das últimas gerações, para reiterar o que pode ser considerado o ponto central de seu pensamento: a defesa da liberdade.

Argumentando contrariamente às tendências tradicionais do pensamento econômico, McCloskey sustentou que o grande enriquecimento ao redor do mundo a partir de 1800 se deu não em função da acumulação de capital, e nem pela exploração do trabalho pelos capitalistas, mas sim pelas inovações que surgiram a partir da liberdade. “Adam Smith, que eu admiro muito, falava sobre o plano liberal da igualdade, liberdade e justiça. Temos que oferecer a todos os indivíduos o mesmo ponto de partida, e então deixá-los em paz”, afirmou.

McCloskey fez críticas diretas a outros economistas, como Thomas Piketty. Para ela, a desigualdade econômica não é um problema em si, já que nos últimos dois séculos, a renda média da população mundial cresceu, e as pessoas vivem melhor do que viviam no passado. A intelectual liberal defendeu, ainda, que o Estado não carregue a responsabilidade de criar oportunidades para todos. Conforme McCloskey, ao libertar as pessoas – incluindo mulheres, escravos, crianças, pobres e imigrantes -, são criadas oportunidades, que geram inovação, e por consequência, mais desenvolvimento.

“Você não precisa de educação, por exemplo, para ter crescimento econômico, precisa de liberdade. Precisa permitir que as pessoas abram seus negócios, possam comprar suas mercadorias. Em primeiro lugar vem a liberdade. Assim, as pessoas enriquecem e investem o que ganham em educação. Educação não é algo empreendedor. Educação é ótimo, mas não é a cura para todos os males”, pontuou a economista.

A conferência, que aconteceu no Salão de Atos da UFRGS, teve saudação musical da pianista Natalia Montenegro, que interpretou a canção “Difracción”, de Sergio Murillo. Após sua fala, Deirdre McCloskey respondeu às perguntas do público e do mediador, o professor de História Econômica do Insper Vinicius Müller. Na ocasião, foi lançada também a edição brasileira do livro “Os pecados secretos da economia”, publicado recentemente pela Ubu Editora. Depois do encerramento da conferência, a economista participou de sessão de autógrafos com o público.