Voltar para Artigos

A invenção do divórcio e o sagrado na contemporaneidade

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Muito se fala da pós-modernidade como a era da descrença e da efemeridade - uma era sem grandes sentidos em que a religião não mais completa o sentido da vida, em que a política se desligou de ideologias, em que casamentos não duram para sempre etc.

Será que não há sentido na contemporaneidade? O que é "sagrado" para nós atualmente? Segundo o filósofo francês Luc Ferry, não é tanto que perdemos os grandes sentidos. Para ele, o sagrado se voltou às futuras gerações.

Na TV, nos livros, nas revistas, na internet: as futuras gerações estão em todos os lugares. De obesidade infantil à maioridade penal - passando pela consciência no uso dos recursos naturais, o debate gira em torno daqueles que ficarão em nosso lugar.

As novas gerações enquanto uma constante tão forte na comunicação e na vida das pessoas é um fenômeno muito atual. Segundo Ferry, tudo começa na história do casamento por amor, uma "invenção" muito recente, de não mais do que 40 anos.

O filósofo francês Luc Ferry é um dos convidados confirmados no Fronteiras do Pensamento que, em 2019, promove conferências com Graça Machel, Paul Auster, Roger Scruton, Denis Mukwege, Janna Levin, Werner Herzog, Contardo Calligaris e, claro, Ferry. 

As vagas para o Fronteiras do Pensamento Porto Alegre estão esgotadas. Se você deseja entrar em lista de espera, clique aqui e registre seu interesse. Entraremos em contato caso sejam disponibilizados novos pacotes de ingressos.

Garanta sua presença nos eventos do Fronteiras São Paulo, que acontecem no Teatro Santander: Clique aqui para adquirir seu pacote para o Fronteiras São Paulo.

E como passamos do casamento arranjado para o casamento por amor? Luc Ferry conta que esta realidade mudou a partir da explosão do capitalismo. As pessoas começaram a sair das pequenas comunidades rurais para as cidades, a ganhar seus salários e a descobrir a liberdade material, escapando do controle da família. Sem a obrigação do casamento arranjado, passaram a se unir pelos seus próprios sentimentos.

Porém, Ferry propõe que o casamento por amor também é a receita para o fim da própria união.Trazendo à luz as ideias do filósofo francês Michel de Montaigne, explica: "Se fundamos o casamento sobre a frágil paixão amorosa, inventaremos o divórcio, disse Montaigne. E ele estava certo, pois foi isso o que aconteceu."

De acordo com Ferry, se você embasa o casamento no amor, você funda toda sua família sobre algo variável. "Neste caso, é preciso transformar a paixão em algo novo e durável e este constitui o principal problema do casal moderno". O pensador aponta a recente estatística de que 60% dos casamentos europeus terminam em divórcio.

Para ele, o casamento por amor é muito mais difícil de ser mantido do que o casamento arranjado. A grande questão atual, afirma o filósofo, é saber se queremos assumir o risco do amor. "Viver o amor é mais difícil do que viver a tradição", constata e sugere uma direção: "É difícil, mas vale a pena."

Sobre a variável do amor entre os parceiros, surge uma nova constância: o amor pelos filhos. Ferry afirma que o casamento amoroso inventou não apenas o divórcio, mas um amor pelos filhos até então inexistente: "Filhos na Idade Média não eram amados. Naquela época, a morte de uma criança era tão ruim, para a família, quanto a de um porco ou de um cavalo. Crianças representavam trabalho braçal".

A preocupação com os filhos acaba se estendendo às gerações futuras. Ao longo da história, diz o filósofo, três foram as grandes causas de sacrifícios coletivos, tidas como figuras do sagrado: deus, a pátria e a revolução. Atualmente, elucida, dificilmente alguém morreria por essas ideias.

Exemplificando com o capitão náufrago que, por honra, afunda junto com seu navio, completou: "Hoje, no Ocidente, ninguém está pronto para morrer pelo casco do navio." No entanto, disse que arriscar a vida pelas pessoas amadas continua valendo a pena. "O amor pelos filhos fez surgir a questão de que mundo vamos legar a eles. Globalização, ecologia e educação, todas as questões atuais, se agrupam nesse foco."

Assim, segundo Luc Ferry, o que vemos nascer é um novo sagrado. "Nossa era é a do surgimento do sagrado de face humana. Isso muda todo o plano político. Os ecologistas foram os primeiros a perceber isso. A grande questão atual é a das gerações futuras: que mundo nós, adultos, vamos deixar para nossas crianças? Da ecologia à educação, todas as grandes questões políticas se reagrupam sobre esse novo foco de sentido."

De acordo com o filósofo, é exatamente este sagrado de face humana que retoma a preocupação com a ecologia nos dias de hoje. Consequência direta desse fenômeno é a ideia de sustentabilidade. É o mundo unido em favor da proteção do meio ambiente e da garantia de qualidade de vida das futuras gerações e de seus dependentes.

Assista, abaixo, ao vídeo exclusivo em que o filósofo explica o que seria a sabedoria do amor e a espiritualidade laica, aquela que ajuda o ser humano a lidar com as questões da existência para além da moral.