Voltar para Artigos

As utopias na urbe contemporânea

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Sociólogo francês, Henri-Pierre Jeudy é pesquisador dos impactos do urbano na sociedade. No Fronteiras do Pensamento, o professor da Escola de Arquitetura de Paris-Villemin discutiu as formas com que as cidades são construídas, administradas e percebidas pela população. Leia, abaixo, um excerto da conferência As utopias na urbe contemporânea:

Quando se olham as maquetes construídas por arquitetos, maquetes que representam os bairros de uma cidade, sempre nos surpreendemos de pensar que, a partir de um objeto tão pequeno, o futuro da cidade é apresentado. A maquete aparece hoje como um objeto um pouco anacrônico, já que os arquitetos utilizam também imagens computadorizadas para mostrar eventualmente ao público o devir da cidade. Essas imagens computadorizadas são às vezes estranhas, porque as pessoas, os habitantes representados, dão a impressão de ser inexistentes – como o arquiteto pensasse a cidade sem seus habitantes.Do mesmo modo, sabemos que os arquitetos constroem imóveis nos quais nunca habitarão. Como se os arquitetos pensassem os imóveis, mas também os bairros de uma cidade, para uma cidade que será vazia. E essa maneira de imaginar sob o aspecto de uma ausência de habitantes, é o que certamente permite ao arquiteto escapar ao confronto com os próprios habitantes ou com o que podemos chamar o público concernido por essas construções.

Assim, a cidade parece imaginada, pensada, projetada no futuro, mas através do imaginário do arquiteto, através de um imaginário pautado apenas segundo o arbítrio do próprio arquiteto. Claro, pode haver resistências contra certos tipos de construções, mas, em geral, aceita-se habitar numa cidade que foi construída por diferentes gerações de arquitetos.

A cidade, para cada um de nós, nos é imposta tal como ela é. Não temos escolha sobre o que pode ser a cidade na qual habitamos. Quer sejamos flanadores ou habitantes da cidade, ela nos é sempre imposta ao olhar. Imposta ao olhar quer dizer também que os modelos de arquitetura provocam, em realidade, uma captura de nosso olhar. Não podemos escapar ao que vemos.

Assim, consequentemente, a liberdade de existir numa cidade virá depois de se ter aceitado ou de se ter resignado a aceitar a cidade tal como existe. De certo modo, os arquitetos, hoje como em outras épocas, talvez hoje ainda mais, projetam o futuro da cidade, enquanto os governantes da cidade, prefeitos e políticos que administram a cidade. Parecem cada vez mais obcecados pela conservação patrimonial da cidade, isto é, pela conservação dos bairros históricos da cidade, pela conservação dos monumentos históricos de uma cidade.

Como se, por um lado, os políticos que administram uma cidade pensassem que uma cidade só existe pelos símbolos que a representam. Por outro lado, os mesmos políticos pedem a arquitetos para projetar o futuro da cidade de um modo que, às vezes, parece exatamente em conflito ou em ruptura, pelo menos, com o cenário patrimonial.Com frequência, tem-se a impressão de que hoje, na maior parte das cidades do mundo, há simultaneamente uma espécie de cristalização da conservação patrimonial e uma espécie de projeção do futuro através das obras arquitetônicas, como também através das obras artísticas colocadas na cidade. Essa ruptura é vivida de um modo que não é necessariamente desagradável. É essa ruptura que oferece, cada vez mais, a imagem estética de uma cidade. Se é possível haver expressões estéticas numa cidade, elas ocorrem muitas vezes nessa ruptura, nessa associação estranha entre a conservação patrimonial e a projeção arquitetônica do futuro da cidade.

Assim, o problema que se coloca é que também podemos pensar que as construções arquitetônicas dos dias de hoje traçam, modelam ou fabricam justamente o patrimônio do futuro. E sabemos bem que os arquitetos se preocupam particularmente com a maneira pela qual suas obras, que podem ser efêmeras, podem se inscrever num tempo que é projetado no futuro. Portanto, com a maneira pela qual suas obras presentes se tornarão ou já são obras patrimonializadas.

Poderíamos nos perguntar se a metamorfose das cidades, através dessa alternância entre a projeção no futuro e a conservação do passado, não é vivida numa espécie de atualização permanente da própria cidade. As cidades parecem cada vez mais obedecer a um futuro que é globalmente patrimonializado. Como se hoje o estado de espírito fundamental na gestão das cidades, na gestão urbana, fosse um estado de espírito baseado na obsessão patrimonial. É talvez o temor de uma incerteza, é talvez a angústia do futuro que faz que atualmente sejamos dominados por essa preocupação patrimonial.

Como se, no fundo, o pensamento patrimonial fosse o meio de conjurar as angústias das incertezas provocadas pelo futuro. Mas, o resultado é que a cidade pode se tornar cada vez mais um cenário, uma espécie de cenário, como um cenário de teatro. E, nesse sentido, se a cidade se torna um cenário de teatro, é como se fosse uma realidade que nos é dada em trompe l'oeil. Ou seja, o cenário nos impede de viver uma certa liberdade do olhar.

Mas, poderíamos dizer que a própria cidade é, esperta, ela tem plus d'un tour dans son sac, como se diz em francês. Ou seja, a cidade também cria a si mesma. Porque afinal, mesmo administrada, mesmo havendo políticos que a administram, a cidade, em seu destino, em sua maneira de ser e de vir a ser, escapa em parte à maneira pela qual se impõe essa construção de um cenário. E é isso que é interessante, que haja uma margem de liberdade para cada um de nós em relação ao espaço urbano. Essa margem de liberdade está, de certo modo, rodeada pelo cenário patrimonial, mas ao mesmo tempo existe, continua a existir.

Como se os habitantes de uma cidade continuassem tendo sempre seu imaginário da cidade, uma certa maneira de imaginar a cidade na qual vivem ou na qual passeiam. Podemos considerar que uma cidade se apresenta como uma espécie de sobreposição de vestígios que representam várias épocas. E é talvez nesse sentido que se percebe a ideia da metamorfose da cidade de que falo.

A metamorfose é algo que no fundo nunca se interrompe, que é sem fim. Isso quer dizer que a cidade se apresenta sempre como inacabada. E o fato de ela se apresentar como inacabada, apesar de todas as realizações que são feitas, essa maneira de ser inacabada é o que provoca, em realidade, uma espécie de excitação nos políticos que administram a cidade. Esses políticos que administram a cidade sempre vão decidir a respeito das transformações.

Podemos considerar que a maneira pela qual os prefeitos transformam suas cidades é, em realidade, uma maneira de construir sua própria imagem do poder. Todos se lembrarão de um governador, de um presidente que transformou uma parte da cidade quando era responsável por ela. Todos se lembrarão dele como de um grande homem. Um prefeito, um governador ou um presidente que nada faz, não ficará na história. Isso quer dizer que o princípio mesmo do poder político é servir-se da cidade para confirmar solenemente o próprio poder.