Voltar para Artigos

Contardo Calligaris: Dilemas Éticos

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Contardo Calligaris (foto: Bruno Santos / Folhapress)
Contardo Calligaris (foto: Bruno Santos / Folhapress)

Em um ciclo de debates intitulado "Dilemas Éticos", o psicanalista italiano conversou com pensadores brasileiros acerca do tema, como Eugênio Bucci, Mario Sergio Cortella e o rabino Michel Schlesinger.

No evento, Calligaris comparou a ética “universal”, sob a ótica pré-moderna, com a atual. Disse ele:

"No mundo pré-moderno, um valor é aquela coisa pela qual vale a pena morrer. Em outras palavras, é fácil reconhecer os valores (fidelidade, honra, palavra dada, honestidade, fé etc), porque eles estão acima da vida."

"A posição contemporânea, ao contrário, coloca a vida como valor supremo ou como uma condição dos outros valores: algo que custe a vida não tem como ser um valor ético."

A partir desta inversão, Contardo Calligaris escreveu um artigo à Folha, analisando o passado e o presente da ética sem romantismos, apontando falhas e benefícios que precisávamos e precisamos cruzar. Quais os desafios que enfrentamos hoje?

Contardo Calligaris é o próximo conferencista do Fronteiras do Pensamento. O psicanalista sobe ao palco do projeto nos dias 21/10 (POA) e 23/10 (SP). Além de Calligaris, o Fronteiras ainda receberá o filósofo Luc Ferry. Garanta sua participação:

- Pacotes esgotados para Porto Alegre
- Adquira seu pacote de ingressos para São Paulo

Atenção: em Porto Alegre (dia 21/10), a conferência com Calligaris acontece excepcionalmente no Centro de Eventos da PUCRS (Av. Ipiranga, 6.681). Em São Paulo (23/10), o local é o mesmo, no Teatro Santander.

Siga nossa página para acompanhar as novidades




Contardo Calligaris: Dilemas Éticos


Para mim (e para a maioria dos psicólogos), o dilema é a única forma aceitável de pensamento ético.

Na hora de decidir o que é certo e o que é errado (e eventualmente de agir em consequência), só pensa eticamente quem não segue receitas e escolhe, em seu foro íntimo, soluções, todas insatisfatórias.

Já falei mais de uma vez do trabalho de Lawrence Kohlberg, o psicólogo piagetiano que tentou medir a nossa capacidade de pensar eticamente.

Para Kohlberg, recorrer a "normas" instituídas (ou seja, a qualquer lista do que se pode e do que não se pode fazer) é prova de debilidade moral: só pensa moralmente quem julga por convicção própria, sem se preocupar com as normas.

Será que isso significa que cada um teria seu pensamento ético particular? Kohlberg esperava que não, pois imaginava que existissem grandes princípios nos quais os indivíduos se inspirariam na hora de acionar seu foro íntimo. Quais princípios?

Essa é a dificuldade moderna. Quem julga a partir de normas ou mandamentos não é um indivíduo moral, e a escolha ética é uma experiência singular e autônoma, de cada um. Nessa condição, como encontrar universais éticos (claro, sem ceder à tentação de aceitar princípios instituídos)?

De Kant a Kohlberg ou a John Rawls, os que tentaram responder a essa pergunta chegaram a conclusões parecidas: talvez existam princípios implícitos, que funcionam sem normas instituídas, mas que o indivíduo respeita sem precisar de contratos – por exemplo, "trata o outro como você gostaria que ele te tratasse".

Nessa altura de minha breve apresentação, mostrei um vídeo em que uma jovem mulher prega seu seio esquerdo numa tábua de madeira. E perguntei: que tal se essa mulher se inspirasse no princípio universal que mencionei e nos tratasse como ela gostaria que os outros a tratassem?

Segundo a nossa premissa, tratando os outros como ela quer ser tratada, estaria respeitando nosso grande princípio ético universal"¦

Esse pequeno paradoxo serve para lembrar que os princípios universais são sempre fundados no bem querer dos sujeitos que se acham "normais". Ou seja, o que é vendido como universal é apenas a suposta "normalidade".

Nada grave, salvo que, em geral, o sujeito que se acha "normal" é uma "alma bela", ou seja, uma alma preocupada apenas em parecer nobre, moral e pura aos olhos dos outros e aos seus próprios.

Enfim, a procura por universais éticos levou a modernidade a propor o respeito à vida como um princípio ético universal óbvio e aparentemente incontestável (afinal, se estivermos todos mortos, a ética vai servir para o quê?).

A vida é um valor ético curioso e inédito. No mundo pré-moderno, um valor é aquela coisa pela qual vale a pena morrer. Em outras palavras, é fácil reconhecer os valores (fidelidade, honra, palavra dada, honestidade, fé etc.) porque eles estão acima da vida.

A posição contemporânea, ao contrário, coloca a vida como valor supremo ou como uma condição dos outros valores: algo que custe a vida não tem como ser um valor ético.

Desenha-se assim um leque, entre dois extremos.

Do lado da ética clássica, há um extremo em que a morte é erotizada: meu desprezo pela vida prova que sigo grandes ideais.

É o que pensam os membros de gangues que se tatuam com caveiras, é o que pensavam nazistas e fascistas quando também usavam a caveira para afirmar que seus valores só podiam ser supremos, visto que estavam dispostos a morrer por eles.

Infelizmente, para os praticantes desse extremo, o martírio nunca foi uma prova da existência de Deus, ou seja, nossa morte, por mais heroica que seja, não demonstra que nossos valores mereciam que a gente morresse por eles.

Do lado da ética contemporânea, no outro extremo, aceita-se qualquer covardia, pois nenhum valor respeitável poderia exigir que lhe sacrificássemos a vida. A modernidade pretende que os bons valores sejam baratos. Só falta concluir que os bons valores precisam ser, além de baratos, rentáveis.

Nossa época idealiza a vida nua (a sobrevivência). Sem surpresa: é uma época em que o prato de feijão em casa é mais importante do que qualquer ideal e qualquer tipo de bem comum.

(Via Folha)