Voltar para Artigos

Da cozinha ao celular: as 06 revoluções tecnológicas que criaram a humanidade

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

O que torna o cérebro humano tão especial? Seria o tamanho do córtex? Seria o tamanho do cérebro? Seria o número de neurônios? Não, não e não. Todas as questões acima foram descartadas pelas descobertas mais recentes. Há espécies com córtex maior, cérebro maior e com mais neurônios.

“Ter esses 86 bilhões de neurônios é uma condição necessária para a capacidade cognitiva que temos, mas não é suficiente", defende Suzana Herculano-Houzel. Em sua passagem pelo Fronteiras do Pensamento, a neurocientista brasileira deu uma aula sobre a evolução do cérebro (e da civilização).

Outra questão surpreendente trazida por ela é a quantidade de energia utilizada pelo cérebro humano e as estratégias que a espécie desenvolveu para otimizar esta energia. Enquanto o cérebro humano representa apenas 2% da massa do corpo, ele consome 25% da nossa energia.

Das 2.000 calorias que consumimos por dia, esclareceu a convidada, o cérebro utiliza 500. “Cada bilhão de neurônios custa seis calorias por dia. O cérebro humano custa caro, porque tem 86 bilhões de neurônios. Se nosso cérebro seguisse a regra dos primatas, teríamos que comer 9h30 por dia para ter a quantidade de neurônios que temos."

Foi assim que surgiu o grande diferencial da espécie, diz a neurocientista: a habilidade de cozinhar os alimentos.

Na fala abaixo, Herculano-Houzel explica com exclusividade como evoluímos para chegarmos à humanidade que hoje conhecemos. Da invenção das facas ao celular, passando pela cozinha, é claro, veremos que nossa história esta embasada nas nossas panelas de todos os dias.

Suzana Herculano-Houzel | Da cozinha ao celular: as 06 revoluções tecnológicas que criaram a humanidade

A cozinha é uma inovação tecnológica, mas, antes dela, entre quatro e três milhões de anos atrás, nossos antepassados criaram outra inovação tecnológica, que eu chamaria de a primeira revolução tecnológica da nossa linhagem, que foi a transformação de pedras em facas, em ferramentas que podiam ser usadas para transformar a comida.

Antes de cozinhar no sentido estrito, de usar calor para quebrar e digerir alimentos, você pode "cozinhar"o alimento, triturando-o, cortando em pedaços. Isso é uma tecnologia que antecede o aparecimento da nossa própria espécie, inclusive dessa segunda revolução tecnológica, que eu chamo de a invenção da cozinha.

Eu considero esse número de neurônios que a gente tem no cérebro como o material necessário para nossa habilidade cognitiva, assim como a gente pode olhar para o nosso mundo e fazer um levantamento de todos os materiais criados pelo ser humano: obra desse cérebro com 16 bilhões de neurônios que a gente tem.

Se vocês pararem para pensar, absolutamente tudo que a gente tem ao nosso redor veio da terra. Absolutamente todos os materiais que a gente usa para construir a nossa vida e os objetos que a gente usa, e inclusive as tecnologias de que a gente dispõe hoje, todos eles são transformados de coisas que você encontra na terra, incluindo árvores.


O que permite a transformação desses materiais em outros materiais, que a gente vai transformando em coisas cada vez mais complexas e elaboradas, tornam a vida da gente cada vez mais flexível.

Ou seja, o que permite chegar a esse ponto hoje, em que a gente supostamente tem os mesmos 86 bilhões de neurônios no cérebro que a 200 mil anos atrás, mas tem conquistas cognitivas tão incrivelmente diferentes, se os materiais são os mesmos, a diferença são as tecnologias, as maneiras de usar que a gente foi sendo capaz de criar.

Com materiais novos você tem a possibilidade de dar um passo além, com mais tecnologias e assim sucessivamente. 

Então, a gente pode reconstruir e repensar a nossa história, a história da humanidade mesmo, em termos de revoluções tecnológicas que vão permitindo novos materiais, que, por sua vez, permitem novos saltos tecnológicos.

- A começar, então, três milhões de anos atrás, com as primeiras ferramentas.

- Um milhão e meio de anos atrás, com a segunda revolução tecnológica, a invenção das tecnologias que permitem o cozimento dos animais.

- 10 mil anos atrás, a agricultura.

- No século 19, a Revolução Industrial permitiu que máquinas passassem a executar o trabalho de humanos, embora ainda operadas pelos próprios seres humanos.

- Mais recentemente, a gente tem o que o Hans Rosling ilustra: máquinas automatizadas, em que você aperta o botão e vai cuidar de outra coisa enquanto a máquina faz o seu trabalho por você.

Assista à palestra de Hans Rosling no TED: ative as legendas no menu do player


- Hoje, a gente está no meio de uma sexta revolução tecnológica, em que há a opção de terceirizar nossas habilidades cognitivas.

Cada um de vocês têm, no bolso, um aparelhinho que tem muito mais poder computacional do que a NASA tinha quando enviou o homem à lua. 

Eu diria que, infelizmente, esses aparelhinhos são usados com tanto abandono, com tanto desleixo, que a gente passa a relegar a esses aparelhos a capacidade cognitiva que a gente tem. Mas, está aí, esta é a sexta revolução tecnológica. A gente chegou ao ponto em que é possível terceirizar nossa própria habilidade cognitiva.

Mas, essa história então que permitiu em um espaço extraordinariamente curto de tempo, em termos evolutivos, a gente fosse de uma dieta crua a ter cultura, agricultura, civilizações organizadas ao redor da distribuição de alimentos.

A invenção da eletricidade torna esses alimentos disponíveis na casa da gente sem nenhum tipo de restrição, mesmo chegando ao ponto de conseguir todas as duas mil calorias necessárias na lanchonete da esquina.

Em 15 minutos, você consegue ingerir as duas mil calorias de que você precisa. Aquilo que hoje resolve o problema original, cria outro, que é o excesso. A abundância, a facilidade com que a gente obtém um excesso de calorias. E, que ironia suprema, hoje a gente tenta resolver voltando às origens: a saladinha, a comida crua.

O que era o problema ganhou uma solução e essa solução se tornou o novo problema da vida moderna.

Tudo isso é cortesia desses 16 bilhões de neurônios que eu proponho que são a resposta mais simples, claro que não a única, mas a resposta mais simples para o que nos torna donos de capacidades cognitivas tão notáveis. Claro, que combinados com toda a tecnologia e toda a história de transmissão cultural que a gente tem dessa tecnologia, tudo possível graças àquela uma habilidade. 

Se vocês me perguntarem qual é a coisa que somente o ser humano é capaz de fazer, qual é a habilidade que somente o ser humano tem e que eu diria que foi o que transformou toda nossa história evolutiva, a única coisa que o ser humano faz que ninguém mais faz é que a gente cozinha.

Depois que eu me dei conta disso, nunca mais olhei para minha cozinha da mesma maneira.

A cozinha é algo a ser reverenciado, é o que permite que a gente passe a maior parte das horas do nosso dia podendo se dedicar a questões muito mais importantes sobre qual é o nosso lugar na face da terra, onde a gente se encaixa na natureza e o que nos torna capaz de fazer tudo isso e ainda pensar a respeito.

Assista à fala de Houzel no vídeo abaixo: