Voltar para Artigos

Leonardo Padura: O Homem que Amava os Livros

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Considerado um dos melhores autores de Cuba, Leonardo Padura escreveu roteiros para o cinema e atuou por 15 anos na área do jornalismo investigativo. Apesar de seu reconhecimento internacional e de ter obtido cidadania espanhola, preferiu viver na mesma cidade, na Ilha onde nasceu, que é cenário de várias de suas histórias.

O nome do autor é associado a histórias de detetives, mas seu trabalho também inclui jornalismo e roteiros. Um fã de baseball, incisivo em suas opiniões e de nobreza comprovada. Padura é um homem incomum.

Sua “raridade” reside fundamentalmente em ter mantido uma visão crítica de seu país, fazendo uma descrição sem floreios do contexto nacional, sem sacrificar a habilidade de ser reconhecido pelos setores oficiais.  Os elogios a ele vêm de todas as direções da polaridade ideológica que habita a Ilha, o que é um milagre no universo das letras e das palavras.  

Leonardo Padura prova a força da Literatura em construir conexões entre mundos distantes. Se suas obras conquistam opiniões opostas, é pela capacidade do autor de mostrar ao leitor que seu inimigo é muito mais próximo do que ele imagina.

Leonardo Padura abre a série de conferência Fronteiras do Pensamento Salvador nesta terça, dia 06 de agosto. Padura vem ao projeto construir pontes entre Cuba e Brasil, entre a capital baiana e o mundo. Adquira sua presença no evento com o autor do best-seller O Homem que Amava os Cachorros.

Leonardo Padura no Fronteiras do Pensamento Salvador

Quando: 06 de agosto (terça), às 20h30
Onde: Teatro Castro Alves
Quanto: R$ 50,00 (R$ 25,00 meia-entrada)

Clique aqui e compre seu ingresso para a conferência


Leonardo Padura comanda a força do talento. Ele é recebido com respeito até mesmo pela União de Escritores e Artistas de Cuba, que o observam com ressentimento pelos livros em que Mario Conde é o protagonista. Nos difíceis anos do "Período Especial em Tempo de Paz", seus romances olharam profundamente para realidades que os outros preferiam ignorar.

Sua honestidade literária, sua tenacidade, e também uma dose de boa sorte, permitiram que Leonardo Padura alcançasse o sonho mais querido de qualquer escritor cubano: ser publicado em outras partes do mundo.

Leia também | As quatro estações de Leonardo Padura

Editoras como a Universidade de Guadalajara e Tusquets, em Barcelona, o ajudaram a se posicionar como um romancista aclamado. Seu reconhecimento internacional foi importante para torná-lo invisível à censura local - por isso, ele foi aceito mesmo que de forma relutante.

O escritor de Mantilla, como muitos o chamam, tem o privilégio de ver suas obras fotocopiadas, circulando em edições piratas entre seus compatriotas. Este apetite insaciável por suas páginas também se dá pelas pequenas tiragens que as editoras locais produziram de seus principais títulos. Se fôssemos medir o sucesso de um escritor a partir da quantidade de cópias ilegais de seus livros, Padura ganharia como o maior autor vivo de Cuba. 

Pós-graduado em Literatura Hispano-americana pela Universidade de Havana, Padura é autor de obras como Hereges, uma mistura de romance histórico e noir que aborda a perseguição aos judeus, além da série de romances policiais Estações Havana, que já foi traduzida para mais de 15 países, venceu prêmios internacionais e virou série na Netflix.

Padura também é o responsável pelo best-seller O homem que amava os cachorros, considerado a sua obra-prima e que narra o assassinato do revolucionário russo Leon Trótski, além de fazer críticas ao regime cubano.

Leonardo Padura é o rosto da Literatura Cubana vindo de dentro da Ilha e seu público tem a sorte de conhecer a realidade do lugar a partir de uma perspectiva diferente, a de todos.

Leonardo Padura no Fronteiras do Pensamento Salvador

Quando: 06 de agosto (terça), às 20h30
Onde:
Teatro Castro Alves
Quanto:
R$ 50,00 (R$ 25,00 meia-entrada)

Clique aqui e compre seu ingresso para a conferência

(Via HuffPost)