Voltar para Artigos

Uma análise dos temas eternos

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Leïla Slimani é conferencista do Fronteiras do Pensamento 2018. (Foto: Alexandre Isard/Getty)
Leïla Slimani é conferencista do Fronteiras do Pensamento 2018. (Foto: Alexandre Isard/Getty)

Próxima conferencista do Fronteiras, Leïla Slimani é autora de Canção de Ninar, best-seller que lhe garantiu o principal prêmio literário da França, o Goncourt. O livro inicia a partir de uma história real, da babá dominicana Yoselyn Ortega, que matou as duas crianças de que cuidava em Nova York, em 2012. Porém, a obra da franco-marroquina vai muito além desta tragédia, propondo outras "tragédias modernas", como a destruição de uma família, as relações de poder, os preconceitos entre classes e culturas, o papel da mulher na sociedade e as cobranças envolvendo a maternidade, como nos explica Alexandra Lopes da Cunha*, em seu artigo para a Revista Fronteiras 2018.

Leïla Slimani é a conferencista do Fronteiras do Pensamento 2018 da próxima semana. Envie sua pergunta para a autora através do e-mail digital@fronteiras.com até a manhã do dia 18, segunda-feira. Garanta sua participação nas conferências desta edição, que acontecem em Porto Alegre e São Paulo.

O mito de Medeia, aquela que mata os próprios filhos, é talvez um dos mais célebres da Antiguidade Clássica. Tanto em Eurípedes quanto em Sêneca, as razões que a personagem dá para o seu ato não nos permitem sequer entendê-la, que dirá perdoá-la.

Em Canção de Ninar, quem mata os filhos não é a mãe, mas a babá, contratada para substituí-la. Não foi a mãe quem matou, mas não teria, afinal, permitido que o crime acontecesse? Acaso tivesse permanecido em casa, cuidando dos filhos, não estariam estes vivos e a salvo? Perguntas a perseguir o leitor durante a narrativa.

Leïla Slimani apresenta-nos uma discussão corajosa e franca sobre a maternidade e seus impactos na vida de uma jovem mulher, filha da revolução sexual e do movimento feminista, alguém que opta em ser mãe, apenas para descobrir que não tolera a rotina de cuidar dos filhos e que busca, em que pesem críticas que recaem sobre ela de todos os lados – do marido, da sogra, da professora da escola –, retomar a carreira. Para tanto, contrata uma babá, Louise, a princípio, perfeita: branca, francesa, ordeira, silenciosa, excelente cozinheira e afetuosa.

No entanto, Louise tem sérios problemas emocionais e financeiros. É uma bomba-relógio que começa a dar mostras da sua instabilidade, indícios relevados, pois, afinal, as crianças a adoravam e ela a elas. Uma obra poderosa que trata de temas eternos, como a discussão sobre o amor materno. E também aborda a emancipação feminina, as relações entre patrões e empregados domésticos, a presença dos imigrantes ilegais na França e seu impacto na sociedade.

Uma história sobre a solidão feminina em que o microcosmo familiar reflete a realidade sociocultural em que mulheres se veem cercadas de crianças, mas profundamente sozinhas, premidas por exigências diversas que impactam diretamente nesta maternidade – sua ou emprestada –, e que não sabem como se fazer ouvir. Nem todas têm estrutura para suportar o peso e colapsam. Brutal e espetacularmente. A culpa não seria então de todos nós?

Canção de Ninar é a segunda obra da autora franco-marroquina. Com ela, recebeu o prêmio mais importante da literatura francesa, o Goncourt, em 2016. É também mãe de duas crianças. Sobre a carreira e a maternidade, declarou: “Às vezes, durante o dia, fico muito feliz com essa repercussão toda. Mas às vezes junta tudo, filhos, marido, trabalho, e fico mais ansiosa sem saber se sou uma boa mãe, uma boa mulher, uma boa escritora. Depende do dia”. Leïla Slimani, uma mulher como nós.

*Alexandra Lopes da Cunha é Doutoranda em Escrita Criativa pela PUCRS e autora de Demorei a Gostar de Elis, finalista do Açorianos de Literatura


LEMBRE-SE| Leïla Slimani é a conferencista do Fronteiras do Pensamento 2018 da próxima semana. Envie sua pergunta para a autora através do e-mail digital@fronteiras.com até a manhã do dia 18, segunda-feira. Garanta sua participação nas conferências desta edição, que acontecem em Porto Alegre e São Paulo.

>> Acesse o libreto especial de Leïla Slimani, autora do best-seller Canção de Ninar
O libreto inclui biografia, links indicados e informações de destaque sobre a conferencista.