Voltar para Entrevistas

Catherine Millet: "Todos os cantos da sociedade estão sob vigilância, incluindo nossa esfera íntima"

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Convidada para o Fronteiras do Pensamento 2018, Catherine Millet é autora do “livro mais explícito sobre sexo jamais escrito por uma mulher”, segundo o crítico americano Edmund White, e vendeu mais de 2 milhões de cópias de sua autobiografia, escrita em 2001. Se já era reconhecida em seu país pela revista Art Press, que fundou em 1972, com A Vida Sexual de Catherine M., lançado aqui pela Ediouro, sua fama foi alçada para fora dos seis lados da França.

Millet voltou aos holofotes agora não por seu novo livro, Aimer Lawrence, ensaio sobre O Amante de Lady Chatterley, de D.H. Lawrence, mas pelo manifesto que ajudou a escrever — resposta à avalanche de acusações públicas de assédio contra mulheres. O documento, com uma centena de assinaturas, critica o movimento #MeToo e defende o direito dos homens de “importunar” as mulheres.

O atual momento do feminismo, na sua visão, é narcisista, por hipervalorizar o corpo, e denuncista, por julgar os homens longe dos tribunais. "Vejo surgir um clima de inquisição, em que cada um vigia seu vizinho, como acontecia nos regimes soviéticos, e depois o denuncia nas redes sociais. Todos os cantos da sociedade estão sob vigilância, incluindo nossa esfera íntima", argumenta em entrevista ao especial Folha Fronteiras 2018.

Catherine Millet é uma das conferencistas desta temporada do Fronteiras, que também apresenta Ai Weiwei, Leïla Slimani, Siddhartha Mukherjee, Mark Lilla e outros grandes nomes sob a temática O mundo em desacordo: democracia e guerras culturais. Garanta sua participação no Fronteiras 2018, que acontece em Porto Alegre e São Paulo


A senhora se considera feminista?
Não sei. Não posso dizer nem sim nem não. Não fui militante nos anos 1970, talvez porque já estivesse exercendo minha profissão, meu trabalho era reconhecido e, pessoalmente, não experimentava a necessidade de ser feminista.

Acha que o feminismo ao estilo #MeToo é majoritário? 
De jeito nenhum. Há uma distância enorme entre o que se exprime em mídias sociais e imprensa e a maneira com que mulheres vivem sua relação com os homens. Claro que todo estupro é um crime, claro que uma maioria concorda.

Ao menos na França, esse é um movimento bastante apoiado por antigas feministas —mulheres da minha geração, muito ideologizadas nos anos 1970, e que voltam com o mesmo discurso, que tende a politizar também as relações individuais. E isso é algo a que me oponho completamente.

Essa maneira de interpretar de forma política tudo que constitui nossa vida, até nossa intimidade, é um rastro ruim deixado por Maio de 68. E, ao menos na França, é algo apoiado por mulheres que estão numa guerra sexual contra os homens, por uma homossexualidade que toma forma como ideologia.

Por que decidiu se manifestar? 
Os grandes jornais franceses publicavam denúncias contra os homens, mas não davam a palavra a eles. As mulheres acusam, e o que os homens dizem para se defender? Ali não havia a palavra do acusado. Não se pode aceitar que um julgamento seja feito nas redes sociais ou na imprensa, e não diante de um tribunal.

Então o #MeToo busca julgamentos em praça pública? 
Isso faz parte de uma situação que se instala na nossa sociedade na qual grupos de pressão, que fazem muito barulho, ameaçam a democracia.

Eu me opus às mulheres que defendiam o #MeToo, eu disse que elas buscavam julgar em praça pública, e elas me diziam, “sim, mas nos verdadeiros processos, as mulheres não conseguem obter justiça”. Bom, se você não confia na Justiça, você não aceita mais as regras colocadas em prática pela sociedade. Claro que às vezes a Justiça erra, claro que às vezes há juízes ruins, mas é preciso aceitar que essa é a melhor invenção que encontramos para se fazer respeitar a lei. Se você questiona isso, questiona toda a nossa sociedade.

Outro exemplo dessa espécie de terrorismo exercido por grupos de pressão é essa onda vegana. Querem que paremos de comer carne, ovo, isso coloca o todo da sociedade numa situação de autocensura com relação ao que podemos fazer com os animais que é absurda.

Acha que o feminismo fala pouco da sexualidade? 
Sempre há algo de agressivo na sexualidade, no desejo, sempre há algo de imperativo, que é necessário dominar, o que nem sempre fazemos bem. Não existe sexualidade sem a expressão de um desejo que é exigente e, às vezes, agressivo.

Mas essa agressividade, nesse movimento #MeToo, qualifica a sexualidade dos homens, e não a das mulheres. Há medo da sexualidade. Se você tem medo de que um homem na rua passe a mão na sua bunda, e se isso a paralisa, acho que você tem terror da sexualidade.

Isso não a suja em sua integralidade. A mulher não fica moralmente suja porque um homem a tocou de maneira grosseira.

O corpo ganhou muita importância? 
Há uma hipervalorização do corpo e uma hiper identificação da pessoa com seu corpo. É uma vontade de considerar o corpo como um tabu, de sacralizar o corpo.

Quais os efeitos disso?
Um dos efeitos do feminismo foi uma culpabilização dos homens. Para as gerações mais jovens, confrontadas apenas com homens extremamente gentis, muito enquadrados nos valores feministas, é chocante ser confrontada a uma outra categoria de homens menos policiados pelo feminismo e que se comportam ainda de maneira ofensiva com mulheres.

Mas mulheres mais velhas, como eu, sabemos que os homens não correspondem sempre ao ideal feminista. Há o movimento a utopia de que vamos mudar os homens, de que vai haver uma evolução da natureza humana. É absurdo pensar que vamos melhorar as pessoas. Fizemos progressos na medicina, na ciência, mas não na moral.

Leia também | Entrevista Catherine Millet: “É preciso deixar de pensar que a mulher é sempre uma vítima”