Voltar para Entrevistas

Richard Sennett: "Classes diferentes devem se misturar no espaço público"

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Richard Sennett (foto: University of Virginia)
Richard Sennett (foto: University of Virginia)

O sociólogo norte-americano Richard Sennett publicou diversos livros sobre a organização urbana e as consequências sociais e emocionais do capitalismo contemporâneo. Sua obra mais conhecida é O declínio do homem público, na qual aborda a relação entre a vida pública e o culto ao indivíduo e ao individualismo.

Em 2009, lançou o primeiro volume da trilogia Projeto Homo Faber, para resgatar as habilidades necessárias à vida cotidiana. O artífice defende a ideia de que fazer é pensar e demonstra como o trabalho com as mãos pode animar o trabalho da mente. Juntos, segundo volume da trilogia, traz uma reflexão sobre a arte da cooperação e de como ela requer a capacidade de entender e mostrar-se receptivo ao outro. O último volume, ainda a ser lançado, tratará de como criar espaços para viver nas cidades.

Sennett sobe ao palco do Salão de Atos da UFRGS, em Porto Alegre, nesta segunda-feira, 24/8; em São Paulo, a conferência acontece no Teatro Cetip – Complexo Ohtake Cultural, nesta quarta-feira, 26/8. Os ingressos para a temporada 2015 do Fronteiras estão esgotados. Confira abaixo a entrevista de Richard Sennett ao jornal Zero Hora:

O senhor está vindo para um seminário com o tema Como Viver Juntos. Vemos, atualmente, crise social e financeira, ataques terroristas etc. Estamos mais próximos ou mais distantes de um projeto de “viver juntos"?
Richard Sennett: No trabalho que faço, lido mais com aspectos econômicos, estou interessado em como a nova economia dita global tornou mais difícil para as pessoas trabalharem juntas, no cenário do que se costuma chamar de neoliberalismo. Não sei bem até onde se espalhou a mudança das políticas de trabalho no Brasil, mas, aqui em Nova York, os trabalhadores já estão tendo que lidar com a realidade de turnos de trabalho mais curtos e mais flexíveis, com menos garantias legais, e sabemos muito bem que o resultado disso é tornar cada vez mais difícil para as pessoas trabalharem juntas. O trabalho se tornou individualista, e as empresas encorajam muito pouco a cooperação mútua. É nisso que eu foco meu trabalho. O terrorismo é uma horrível ameaça, mas, na esfera cotidiana, as alterações no ambiente de trabalho são mais significativas.

Nas grandes cidades, de modo geral, a mobilidade é um problema para o trabalhador, e alguns já defendem que uma solução seria o uso da tecnologia para que se trabalhe de casa. A tendência é que o trabalho se torne algo ainda mais isolado?
Richard Sennett: Não acho que esse seja um futuro necessário e inevitável. O problema das cidades, como você apontou, diz muito respeito à comunicação física, ao deslocamento. Todas as vezes em que estive no Brasil, fiquei preso em engarrafamentos que pareciam durar uma vida. Mas há uma série de estratégias que podemos adotar, até mesmo restringindo o tamanho das cidades. Mas acho que a grande questão é que esta nova face do capitalismo que vivemos tem sido apresentada como inevitável. E não é. Os alemães, por exemplo, têm sido muito bons em combinar flexibilidade no trabalho com um sentido de cooperação. Os escandinavos têm conseguido aliar empresas de ponta muito eficientes com solidariedade social. Logo, não é necessário que seja como temos visto nos Estados Unidos ou na Inglaterra ou em países nos quais essa doutrina ainda está se consolidando. Você pode ter modernização sem isolamento.

O senhor mencionou a Alemanha, atual timoneira da União Europeia, um dos principais projetos de “viver junto" na história recende. Como o senhor vê o caso da Grécia e as consequências dos recentes embates para a UE?
Richard Sennett: Tenho ouvido muito essa pergunta nos últimos tempos. Acho que a Alemanha está se comportando de modo vergonhoso. Se eu fosse grego, provavelmente não aceitaria continuar na União Europeia neste momento. Porque a UE se tornou uma espécie de máfia dos Estados europeus do Norte. Não é mais um projeto político no qual os fortes podem colaborar e ajudar os fracos. A Alemanha está impondo condições à Grécia que vão condenar gerações à pobreza. De um ponto de vista político, creio basicamente que a Alemanha destruiu a União Europeia, não os gregos. Ela está aplicando um tipo de fascismo econômico, em que os fortes predam os fracos. Uma das consequências na Grã-Bretanha do modo como a Alemanha conduziu a questão grega é que muitos que antes não contemplavam a possibilidade de deixar a UE agora declaram: “Temos que nos livrar do domínio alemão".

O resultado da crise foi uma perda da noção de colaboração?
Richard Sennett: Completamente. Um dos elementos fundamentais da colaboração é que os parceiros queiram se apoiar, e não apenas o mais forte obter vantagem. O elemento desta situação que eu acho chocante é que muito do dinheiro que a Alemanha investiu na Grécia não foi para as pessoas comuns, e sim para financiar os bancos. Então, essencialmente, nesta terrível austeridade que está sendo imposta à Grécia e a Portugal, outro parceiro em situação fraca, quem está recebendo dinheiro são os banqueiros, e não os cidadãos que sofrem o maior impacto da crise. É hipnótico pensar como lutamos duas guerras mundiais contra a Alemanha e agora ela impõe uma dominação pelo aspecto econômico e por uma espécie de fascismo financeiro no qual os mais ricos estão espremendo os mais pobres – algo com que vocês no Brasil com certeza estão familiarizados.

Por que, em cidades modernas com pessoas de procedências e culturas diferentes, o impulso de cooperação parece cada vez mais árduo?
Richard Sennett: Eu não diria que o problema aí seja de cooperação, e sim a existência de um certo isolamento cultural, a noção de que pessoas diferentes não podem viver juntas. A grande questão em colaborar é mais física, particularmente ter classes diferentes de pessoas misturadas no espaço público. As cidades já foram locais tradicionais de mescla entre pessoas de diferentes origens, estratos econômicos e visões políticas. Hoje lidamos com uma questão prática: se tivermos uma cidade em que isolamos todas as diferentes classes de habitantes, você perde uma espécie de sinergia natural que se forma quando há pessoas diferentes no mesmo espaço.

Leia também a entrevista de Saskia Sassen ao jornal Zero Hora: "Protestos usam espaço público como rua global para a política"