Voltar para Notícias

6 coisas que você precisa saber sobre o Fronteiras do Pensamento 2013

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Fronteiras do Pensamento 2013 chegou ao fim com a conferência do neuroeconomista Paul Zak, em São Paulo. O seminário, que tem como o objetivo trazer grandes pensadores ao Brasil e promover uma maior reflexão sobre seus campos de estudo, contou com a presença de nomes como Mario Vargas Llosa, António Damásio e José Ramos-Horta.

A Revista Galileu, parceira do Fronteiras, conversou com o curador do Fronteiras, Fernando Schüler, que compartilha algumas das mais importantes reflexões levantadas pelo seminário.

- A temporada 2014 do Fronteiras do Pensamento está confirmada. Os Passaportes estarão à venda após o carnaval de 2014 (março)
- A página do Fronteiras no Facebook ganhou novos botões. Os seguidores podem assistir aos vídeos sem sair do site. Confira o botão vídeos no www.facebook.com/fronteirasweb

“A pólis é o mundo"
“Criamos essa frase para definir o Fronteiras e queríamos refletir sobre como as questões que, algumas décadas atrás, eram locais, se tornaram globais. E, do primeiro ao último convidado, todas as grandes questões trazidas tinham esse mesmo pensamento por trás delas, mas com muitos enfoques diferentes".

Uma feliz coincidência, com Manuel Castells

“Durante o Fronteiras, tivemos algumas coincidências felizes, que demonstram o sentido do projeto. Por exemplo, no momento em que estavam acontecendo as grandes manifestações no Brasil, tivemos a presença do Manuel Castells, que havia acabado de lançar um livro chamado Redes de indignação e esperança. Lá, ele faz uma análise de movimentos e protestos muito similares em mais de 80 países diferentes. Então, a ideia que estava sendo trazida pelo Fronteiras estava sendo realizada no país e em um plano global ao mesmo tempo. O pensamento foi ressaltado como forma de mudança do mundo, de construção de valores".

A reflexão da cultura global, com Vargas Llosa

“A discussão trazida pelo Mario Vargas Llosa, na abertura do Fronteiras, sobre a cultura global hoje, ressaltou o compromisso dos intelectuais com as questões éticas. Será que hoje eles cumprem os mesmos objetivos de Èmile Zolá, ou de Voltaire, o mesmo papel de sinalizador das nossas responsabilidades éticas e assim por diante? Ou será que isso se perdeu em um mundo midiatizado de qual os valores de mercado tomaram conta? Será que estamos em uma sociedade menos reflexiva? Vargas Llosa propõe a retomada de um pensamento mais sistemático sobre a cultura".

Nossa responsabilidade em relação aos outros, com Kwame Appiah

“Kwame Appiah, de certa forma, definiu a questão central do Fronteiras, com o tema das revoluções morais. A grande pergunta, pra ele, é qual é a grande revolução moral da nossa época. Isso passa pelo tema do fim da pobreza, a eliminação da miséria e a consagração do pluralismo e da tolerância como os desafios atuais. E, se você parar pra pensar, são temas clássicos - a democracia no plano político e a eliminação da pobreza no campo econômico.

Appiah discutiu como se formam consensos morais e como, e isso é uma tese polêmica, a moral é evolutiva. As sociedades evoluem através do diálogo, da indignação das pessoas. Mas essa revolta é positiva, transforma o próprio conceito de direitos humanos, os direitos de gênero, os direitos às opções comportamentais..."

A molécula da empatia, com Paul Zak

“Talvez uma das maiores aproximações com a ciência do Fronteiras e uma das discussões mais polêmicas tenha sido o encerramento com o Paul Zak.

Ele explica como nosso funcionamento orgânico, especialmente a oxitocina, esse hormônio, afeta nosso comportamento, inclusive nossas inclinações de natureza moral. É uma tese bastante audaciosa, mas que vem ganhando uma crescente atenção da comunidade científica".

Parceria com a GALILEU
“A GALILEU é fundamental para o Fronteiras porque é uma marca que trata não apenas da ciência e da tecnologia, mas de todo o significado que isso tem na vida social, no comportamento humano, em nossa forma de pensar. Afinal a tecnologia é um indicador social importante, é espelho da nossa qualidade de vida. Então há uma sintonia entre a visão da revista e o objetivo do Fronteiras". Leia esta notícia no site da Galileu.