Voltar para Notícias

Amós Oz falece aos 79 anos, em decorrência de um câncer

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Amóz Oz no Fronteiras do Pensamento 2017
Amóz Oz no Fronteiras do Pensamento 2017

O escritor israelense Amós Oz morreu nesta sexta-feira (28) em decorrência de um câncer, aos 79 anos, em Tel-Aviv.

A informação foi confirmada por sua filha, Fania Oz-Salzberger, em seu perfil no Twitter.

"Meu pai amado, Amós Oz, um homem de família maravilhoso, um autor, um homem de paz e de moderação, faleceu hoje, após uma breve batalha contra o câncer. Ele estava rodeado por pessoas que o amavam e que sabiam disso até o fim. Que seu legado de bondade prossiga para transformar o mundo", escreveu Fania Oz-Salzberger na rede social.


Nascido em Jerusalém, em 1939, Oz era autor de livros como Caixa-Preta, Judas e Como Curar um Fanático.

O autor esteve no Brasil em 2017 para participar do Fronteiras do Pensamento. Ele, que recebeu diversos prêmios literários, era com frequência apontado como um dos candidatos a ganhar o prêmio Nobel de literatura.



Uma das principais vozes da literatura israelense, Oz participou das forças de defesa de Israel nos conflitos com a Síria. Ao concluir o serviço militar, foi enviado pelo kibutz para a Universidade Hebraica em Jerusalém, onde estudou Filosofia e Literatura. Atuou como professor e lutou na guerra dos Seis Dias e na de Yom Kippur, além da ação militar israelense na faixa de Gaza.

O autor publicou 35 livros, entre romances, histórias infantis e coleções de artigos, críticas e ensaios, além de outros textos. Foi um dos intelectuais mais reconhecidos de seu país. Suas obras foram traduzidas para 42 idiomas em 43 países.

Fundador e principal representante do Movimento Paz Agora, Oz defendia a solução de dois Estados para o conflito entre Israel e Palestina.

Como escritor, afirmava que não escrevia para entreter, mas para que os leitores se questionassem.

Seu livro mais conhecido é o romance autobiográfico Uma história de amor e trevas, considerado uma obra-prima da literatura mundial. O livro recebeu uma adaptação para o cinema feita por sua conterrânea, a atriz Natalie Portman.

Leia também | "Cada homem é uma península": relembre a passagem de Oz pelo Fronteiras

A conferência de Amós Oz, na temporada 2017 do Fronteiras do Pensamento, foi intitulada Meus livros, meus país, minha política. O escritor falou sobre literatura e sobre o conflito entre Israel e Palestina, removendo a ideia de mocinhos contra vilões.

Oz ressaltou a importância da criatividade e do humor, que podem funcionar como ferramentas na busca por tolerância e empatia. Segundo ele, a curiosidade é uma força propulsora da literatura.

“Eu acredito também na bênção da curiosidade em tempos de conflitos políticos, religiosos, ideológicos e pessoais. Não porque a curiosidade possa sarar tudo, mas porque a curiosidade, não menos do que o humor, é um antídoto poderoso ao fanatismo”, disse o escritor na conferência.

Assista abaixo ao vídeo com o israelense no Fronteiras 2017.