Voltar para Notícias

As fronteiras da imigração

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Haiti, Bangladesh, Senegal, República Democrática do Congo, Gana, Síria, Guiné Bissau, Paquistão, Nigéria e Mali. Em números oficiais, a população de imigrantes no Brasil dobrou de 140 mil para 280 mil pessoas entre 2000 e 2010. Números oficiais que podem estar muito abaixo da realidade.

Somente no período da Copa, a cidade gaúcha de Caxias do Sul recebeu pedido de refúgio de quase três centenas de ganeses, que entraram no país com visto de turista, concedido com base na Lei Geral da Copa – que permite a permanência no país por 90 dias. O número segue crescendo. Até a manhã desta segunda-feira (14), mais 38 se somaram aos 251 que, em duas semanas, já haviam passado pela Polícia Federal (PF) para solicitar documentação de refúgio. O pedido de refúgio gera um protocolo que dá ao imigrante acesso a um emprego e a uma série de direitos individuais.

Caxias do Sul tem sido destino de imigrantes haitianos, senegaleses e ganeses pela oferta de trabalho em abatedouros de aves. Neste ano, a cidade registrou 603 pedidos de refúgio no Brasil, mas a estimativa do município é que até três mil imigrantes africanos e haitianos estejam trabalhando na informalidade.

Em Brasília, uma quantidade similar de imigrantes se espreme em lares improvisados, sem dinheiro ou emprego. Em um dos apartamentos, locado a R$ 500 por ganeses, a matemática é complicada: sete colchões para 22 pessoas. Entre 16 e 39 anos, cristãos e muçulmanos, solteiros – alguns com filhos –, eles não falam português e deixaram Gana estimulados pela própria família na esperança de conseguir trabalho e melhores condições de vida.

O Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), que depende do Ministério da Justiça, está estudando caso a caso. A Polícia Federal abriu uma investigação para determinar se os ganeses vieram ao país pela oportunidade aberta pela Copa ou se é fruto da manobra de algum intermediário que estivesse cobrando dinheiro dos imigrantes ganeses. A prefeitura da cidade catarinense de Criciúma tem pistas de pessoas suspeitas de cobrar até R$ 9 mil para trazer ganeses ao Brasil.

Como abrigar milhares de imigrantes no território nacional com os direitos garantidos a partir do visto de permanência?

Para Timothy Garton Ash, cientista político britânico, um país deve absorver quantas pessoas puder e o número de imigrantes recebidos deve levar em conta o fator mais importante: não apenas aceitá-los para que vivam de forma marginal, mas ter a capacidade de tratá-los como iguais. Assista ao vídeo exclusivo abaixo, As fronteiras da imigração (acione as legendas em português no símbolo ao lado do relógio):