Voltar para Notícias

Curta com Peter Singer é exibido em festival de cinema sergipano

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

O curta-metragem Cedo, dirigido por Vicente Moreno, foi exibido no Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe (Curta-SE), nesta quinta-feira (11), pela 1ª Mostra Competitiva de Curtas Iberoamericanos.

Cedo, que tem a participação do filósofo australiano Peter Singer, conferencista do Fronteiras do Pensamento 2013, foi realizado pela Telos Empreendimentos Culturais e pela Okna Produções.

No filme de 13min, a partir de uma reflexão de Peter Singer, questões éticas são propostas ao espectador: temos o direito de encerrar nossa própria vida? Pode um sujeito optar pela ação que encerra todas as ações? Afinal, até que ponto existir é diferente de viver?

A 14ª edição do Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe recebeu quase 500 filmes para inscrição e selecionou 44 para participar das mostras competitivas. Com o tema 'Felicidade é', o Curta-SE acontece de 08 a 13 de setembro nas cidades de Aracaju, São Cristovão, Laranjeiras e São Cristóvão. Veja mais informações no site oficial.

CEDO | FICHA TÉCNICA
Direção, Roteiro e Montagem: Vicente Moreno
Participação: Peter Singer
Produção Executiva: Aletéia Selonk e Graziella Calvano Ferst
Direção de Produção: Tamara Mancuso
Diretor de Fotografia: Matheus Massochini
Diretora de Arte: Raiza Antunes
Montagem: Germano Germano de Oliveira
Desenho de som e Mixagem: Gabriela Bervian
Elenco: Áurea Baptista, Carina Dias, Luís Luis Franke, Rossendo Rodrigues

Assista, abaixo, ao filósofo Peter Singer em entrevista exclusiva ao Fronteiras do Pensamento:

Peter Singer - Refletir sobre as consequências ou seguir as regras? | Singer argumenta que a educação embasada em regras dificulta a cultura da reflexão sobre as consequências dos atos.

Peter Singer - Por que damos valor a uma vida? | Singer argumenta que o que nos faz dar valor a um ser humano é sua capacidade de sentir e de viver felicidade, alegria e amor, e não por ser um coração que bate sem a existência da pessoa, do eu, da consciência sobre a própria vida.