Voltar para Notícias

Daniel Libeskind: Não devemos esquecer o profundo impacto das construções ao nosso redor

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

"A arquitetura mais neutra é frequentemente a mais agressiva. Mas, nas construções que nos tocam, há um elemento de cuidado. Não se trata de um edifício nos fazer sentir bem ou mal. Trata-se de se sentir tocado. Isso é o que a palavra emoção significa. O que sentimos é uma intensidade, é paixão e envolvimento."

Arquiteto polonês, Daniel Libeskind esteve no Fronteiras do Pensamento 2008 para defender que a arquitetura é causa e consequência de diferentes forças sociais e experiências humanas. Na conferência Pedra fundamental, relacionou a arquitetura com os dramas da vida cotidiana e com as memórias coletivas. Segundo ele, a “arquitetura é uma linguagem – é a comunicação entre a cidade e as pessoas que a constroem e que também são construídas por ela".

Por visões como esta que Libeskind foi convidado pela CNN Style para ser o editor da série especial “Arquitetura e emoção". No episódio “Arquitetura que toca o coração e a alma", que une texto e vídeo escrito e narrado por ele, argumentou que “a arquitetura é o maior documento não escrito da história". Confira abaixo algumas de suas palavras:

“A metáfora da vida está enraizada na arquitetura. Nascer, crescer, ser é uma experiência arquitetônica. Começa na escavação, do nada, e tem apenas um plano que, na hora certa, alcançará a fruição. Não importa o quão triste, o quão trágico seja um terreno, o quão abusado tenha sido pela história, a arquitetura dá a noção de um futuro."

Assista ao vídeo e leia “Arquitetura que toca o coração e a alma" no site da CNN Style

Assista também: What is Daniel Libeskind's hidden talent? | CNN Style