Voltar para Notícias

Estudo aponta que, em menos de três décadas, Grande Porto Alegre terá quase o dobro de carros

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Estudo divulgado nesta quarta-feira (25) prevê dados preocupantes para os cidadãos de Porto Alegre: em menos de três décadas, a região metropolitana terá quase o dobro de carros, com praticamente um veículo por habitante.

A pesquisa do Departamento de Estatística da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) apontou dois dados conflitantes:
- para 70% dos moradores da Grande Porto Alegre, o trânsito e o transporte público são os maiores problemas de infraestrutura na capital gaúcha;
- em 2040, a região terá cerca de 3 milhões de automóveis - aumento de 97,4% com relação ao número atual.
Hoje, POA já possui um dos mais altos índices de motorização do país, com um veículo por 2,29 habitantes.

Para o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, a expectativa é reverter o quadro que se desenha para as próximas três décadas. Ao jornal ZH, Cappellari disse que não há saída a não ser priorizar o transporte coletivo. Ele citou a implantação do sistema BRT e o incentivo a alternativas não motorizadas: “Não vamos destruir a cidade. O conjunto de obras executadas no momento vai melhorar muito a capacidade de circulação. Mas, vamos ter um limite de alargamento de via, porque não queremos uma cidade motorizada, mas sim com características de mobilidade e de convivência".

Outra cidade que passou pela mesma situação foi Bogotá. No início dos anos 1990, seu sistema de transporte estava próximo do colapso. Durante décadas, a capital da Colômbia discutiu a construção de uma rede de transporte metropolitano, mas nunca teve o apoio do governo nacional, tendo que descartar e atrasar vários planos de um sistema de metrô.

Em 1998, a prefeitura de Bogotá iniciou um projeto de transporte massivo, baseado em veículos integrados em vez de um trem elétrico – tanto por questões de custo quanto pelo número de linhas que o projeto possibilitava – conhecido como Sistema de Transporte Masivo del Tercer Milenio, ou TransMilenio.

O TransMilenio é o maior sistema de transporte da Colômbia. Sua construção começou durante a prefeitura de Enrique Peñalosa, sendo inaugurado em 2000. Desde então, a expansão do sistema o elevou ao maior projeto de transporte tipo BRT do mundo. BRT significa Bus Rapid Transit(trânsito rápido de autocarros/ônibus) e se configura em um modelo de transporte coletivo de média capacidade que combina faixas de circulação exclusivas, estações e ônibus para atingir o desempenho e a qualidade de um sistema de metrô, com a flexibilidade e o custo de um sistema de ônibus. Evolução do TransMilenio é o atual Sistema Integrado de Transporte de Bogotá (SITP), que uniu o transporte coletivo tradicional ao BRT em linhas e tarifas. Para tanto, Bogotá foi dividida em 13 zonas, entregues a oito operadores privados. Os contratos com tais empresas exigem que elas atendam a certos requisitos. No caso de descumprimento, sofrem multas e penalidades.

Em vídeo exclusivo, Enrique Peñalosa apresentou as possibilidades para que sejam solucionadas estas duas problemáticas questões nos grandes centros urbanos: mobilidade e engarrafamentos. Ainda, criticou o sistema do metrô por colocar os carros acima das avenidas e “enterrar" o que deveria ser prioritário: o cidadão.