Voltar para Notícias

Fritjof Capra e a abordagem sistêmica da pandemia

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Fritjof Capra em conferência ao Fronteiras do Pensamento 2020
Fritjof Capra em conferência ao Fronteiras do Pensamento 2020

O físico teórico e escritor Fritjof Capra foi conferencista do Fronteiras do Pensamento na noite dessa quarta-feira (18) para debater a Reinvenção do humano, tema da temporada 2020. O encontro contou com a mediação do jornalista Ricardo Gandour e versou sobre a pandemia em uma visão sistêmica do mundo, conforme a perspectiva do físico.    

Todas as crises globais que vivemos hoje, afirma Capra no início de sua fala, são uma resposta dos problemas relacionados entre si: “Quando olhamos para o estado do mundo hoje - em nossa crise global multifacetada - o mais evidente é que nenhum dos nossos principais problemas - energia, meio ambiente, emergência climática, desigualdade econômica e agora a pandemia COVID - nenhum desses os problemas podem ser entendidos isoladamente. São problemas sistêmicos, o que significa que estão todos interligados e interdependentes”.

O debate foi centrado na pandemia de COVID e circulou por temas como a mudança de crescimento quantitativo para o qualitativo, a postura dos líderes políticos frente à pandemia, a fragmentação de ecossistemas, justiça social, crise econômica e regeneração ambiental, e perspectivas de um mundo pós-pandemia.

Reconhecido mundialmente pela obra “O Tao da Física”, Capra faz um paralelo entre a física moderna e o misticismo oriental, e é envolvido diretamente na promoção da educação ecológica.      

Confira alguns destaques da conferência de Fritjof Capra:

 

A pandemia de COVID

O que eu quero fazer esta noite é ilustrar o que significa pensar sistematicamente tomando a pandemia COVID, que está na mente de todos, como exemplo. Uma análise sistêmica da pandemia significa uma análise que mostra como seus muitos aspectos e dimensões estão todos inter-relacionados. Na minha opinião, o coronavírus deve ser visto como uma resposta biológica de Gaia, nosso planeta vivo, à emergência ecológica e social que a humanidade trouxe sobre si mesma. Ela surgiu de um desequilíbrio ecológico e tem consequências dramáticas devido aos desequilíbrios sociais e econômicos.

Durante as últimas décadas do século XX, a humanidade excedeu a capacidade de carga da Terra (o número de pessoas que a biosfera pode sustentar sem degradação ambiental). A população mundial cresceu para 7,8 bilhões, e a obsessão irracional de nossos líderes políticos e corporativos com o crescimento econômico e corporativo perpétuo gerou uma crise existencial multifacetada que ameaça a própria sobrevivência da humanidade. A pandemia COVID é apenas a manifestação mais recente desta crise global.

 

Justiça social

O papel da justiça social durante uma pandemia é particularmente interessante. Em tempos normais, os ricos estão relativamente isolados dos pobres. Eles vivem em seus próprios bairros, têm suas próprias escolas, hospitais, restaurantes, clubes, etc. O destino dos pobres não os afeta muito.

Durante uma pandemia como a COVID-19, a situação muda dramaticamente. Como o vírus não conhece fronteiras sociais, o destino dos pobres não pode mais ser separado do destino dos ricos. Os pobres são muito mais suscetíveis à infecção por causa das condições de vida superlotadas, da falta de acesso à água potável e de cuidados de saúde e proteção social inadequados. Mais cedo ou mais tarde, eles contaminarão também os ricos porque, embora as duas classes estejam separadas socialmente, não o são biologicamente.

Existem inúmeros contatos físicos entre os ricos e seus assistentes pessoais, motoristas, serviços de entrega, pessoal de limpeza e manutenção, etc. Através desses contatos físicos o vírus se propaga e infecta as pessoas, independentemente de sua classe social. Durante uma pandemia, portanto, a justiça social não é mais uma questão política de esquerda versus direita; torna-se uma questão de vida ou morte.

 

Crise econômica e regeneração ambiental

Quando a pandemia se espalhou pelo mundo, um país após o outro foi bloqueado, com apenas negócios essenciais permanecendo abertos e a maioria das pessoas confinada em suas casas, como ainda estamos em grande parte. Como consequência, o transporte de pessoas e mercadorias foi radicalmente reduzido, as cadeias de suprimentos foram interrompidas, empresas fechadas, o mercado de ações entrou em colapso e o desemprego disparou. A crise mundial da saúde foi acompanhada por uma crise econômica mundial.

Ambas as crises levaram a consequências trágicas generalizadas para indivíduos e comunidades em todo o mundo. No entanto, de uma perspectiva ecológica planetária, também houve muitas consequências positivas. À medida que o tráfego de automóveis e as atividades industriais diminuíram drasticamente, a poluição das principais cidades ao redor do mundo desapareceu repentinamente e estamos novamente desfrutando de céus limpos e ar puro. A vida selvagem está florescendo em ecossistemas não perturbados pelos humanos.

Isso não significa que queiramos continuar na situação atual. A atual regeneração ambiental tem sido o resultado de atividades humanas radicalmente reduzidas. Os mesmos efeitos positivos poderiam ser alcançados mudando radicalmente nossas atividades humanas.

 

Lições de Gaia

A resposta COVID do mundo nos mostrou o que é possível quando as pessoas percebem que suas vidas estão em jogo - individualmente durante a pandemia e para a civilização como um todo na emergência climática. Sabemos agora - por meio de histórias de sucesso em países como Nova Zelândia, Austrália, China e Coreia do Sul - que o mundo é capaz de responder com urgência e coerência assim que a vontade política for despertada.

Com a pandemia COVID, Gaia nos presenteou com lições valiosas que salvam vidas. A questão é: teremos a sabedoria e a vontade política para acatar essas lições e vamos aplicá-las à crise climática? Mudaremos do crescimento econômico extrativista indiferenciado para o crescimento qualitativo regenerativo? Vamos substituir os combustíveis fósseis por formas renováveis de energia para todas as nossas necessidades de energia?

Vamos parar o turismo de massa excessivo e, em vez disso, revitalizar as comunidades locais? Vamos substituir nosso sistema centralizado de agricultura industrial de uso intensivo de energia por uma agricultura orgânica, voltada para a comunidade e regenerativa? Vamos plantar bilhões de árvores para retirar CO2 da atmosfera e restaurar os ecossistemas do mundo, de modo que os vírus perigosos para os humanos sejam confinados novamente a outras espécies animais onde não causem danos? Temos o conhecimento e as tecnologias para embarcar em todas essas iniciativas. Teremos vontade política?