Voltar para Notícias

Mia Couto desempareda o pensamento no Fronteiras Florianópolis

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

"As ideias nascem de outras ideias. Os grandes momentos da história aconteceram em locais onde as ideias eram trocadas." - Mia Couto

Mia Couto abriu o ciclo de conferências Fronteiras do Pensamento Florianópolis, quarta edição do evento na capital catarinense. Na noite de segunda-feira (25/08), o público do Teatro Pedro Ivo acompanhou a fala de Couto, intitulada Desemparedar o pensamento.

Logo no início de sua fala, o conferencista chamou a atenção do público dizendo que "o ato de pensar é tão primordial que separa o humano do não humano e que "pensar que se sabe é muitas vezes mais grave do que não saber."

Floreando os limites do pensamento, Couto dissertou sobre os preconceitos muitas vezes disfarçados de ciência que tentam justificar diversos preconceitos por séculos, como o preconceito racial e o sexismo.

Pincelando por sua obra, Mia também falou da África e das grandes civilizações africanas, além de relembrar sua própria luta pela independência de Moçambique e o cotidiano em uma guerra civil: "Saíamos todo dia de casa sem saber se teríamos o que comer". Couto argumentou que não damos o devido valor aos nossos ancentrais. A globalização, fenômeno que o autor atrela ao mercado de consumo, cancelaria diferentes culturas e as transformaria em produtos: "anulamos a infância da nossa própria espécie", criticou.

Mia Couto, de 59 anos, contou que a família se mudou para Moçambique por questões políticas e que quando era criança já percebia as questões relacionadas à discriminação racial no país. "Ninguém nunca precisou me explicar o que era", revelou. Tal saga está descrita em um de seus livros: Terra Sonâmbula, o qual confessou ser o único de sua literatura que "doeu escrever".

O Fronteiras do Pensamento Florianópolis 2014 é uma realização da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). O evento tem patrocínio de Softplan e Intelbras, apoio da Tractebel Energia e planejamento cultural da Telos.