Voltar para Notícias

Mia Couto é finalista do Man Booker International Prize

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Mia Couto (foto: Greg Salibian/Fronteiras do Pensamento)
Mia Couto (foto: Greg Salibian/Fronteiras do Pensamento)

O escritor moçambicano Mia Couto é um dos finalistas do Man Booker International Prize. Primeiro escritor em língua portuguesa a ser indicado entre os finalistas da premiação, Mia Couto foi escolhido, de acordo com o corpo de jurados, pelo carácter “preciso" e “profundo" com que a língua é utilizada nas “histórias de civilização e barbárie" de Mia Couto. “Ele tece em conjunto a tradição viva da lenda, poesia e canção. As suas páginas estão cravejadas de imagens surpreendentes", referiu o júri, que destaca entre a sua obra livros traduzidos para inglês como Terra Sonâmbula, O Último Voo do Flamingo ou Jesusalém.

Diferentemente do Man Booker Prize, realizado anualmente, o International Prize é concedido a cada dois anos a um autor vivo, em reconhecimento a uma realização na ficção mundial. O júri prioriza a excelência do projeto literário de um autor analisando sua obra completa, e não um único romance.

A lista de 10 escritores foi anunciada nesta terça-feira (24), na Universidade da Cidade do Cabo (África do Sul) e inclui também o argentino César Aira, a libanesa Hoda Barakat, Maryse Condé, de Guadalupe, a americana Fanny Howe, o líbio Ibrahim Al-Koni, o húngaro László Krasznahorkai, o congolês Alain Mabanckou, a sul-africana Marlene van Niekerk e o indiano Amitav Gosh. Nenhum dos escritores selecionados foi finalista de qualquer edição anterior do prêmio. O vencedor será anunciado em 19 de maio, em cerimônia no Victoria and Albert Museum, em Londres.

O júri do Man Booker International Prize é constituído por escritores e acadêmicos como a romancista Nadeem Aslam, a romancista, professora da Universidade de Oxford, Elleke Boehmer, o diretor da revista New York Classics Series, Edwin Frank, e o professor da Universidade de Londres,Wen-chin Ouyang.

Atribuído pela primeira vez em 2005, o Man Booker International atribui um prêmio de 60 mil libras (cerca de 82 mil euros) ao vencedor. Caso este seja um autor traduzido, pode escolher um tradutor para inglês da sua obra a quem é atribuído em paralelo um prêmio de 15 mil libras (cerca de 20 mil euros).