Voltar para Notícias

Mídia estatal iraniana aumenta recompensa pela morte do escritor Salman Rushdie

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Salman Rushdie no Fronteiras do Pensamento São Paulo (foto: Greg Salibian)
Salman Rushdie no Fronteiras do Pensamento São Paulo (foto: Greg Salibian)

Mídia estatal iraniana se reuniu para aumentar, em 600 mil dólares, a recompensa pela morte do autor indo-britânico Salman Rushdie. A morte ao escritor foi declarada em 1989, pela publicação do livro Os Versos Satânicos.

O líder da revolução islâmica do Irã, Ayatollah Ruhollah Khomeini, lançou uma fatwa, um decreto religioso, que chamava muçulmanos para matar o autor do livro, alegando ser ofensivo ao profeta Maomé.

A partir disso, Os versos satânicos foi banido em dezenas de países, sendo alvo de fogueiras públicas. Atentados foram dirigidos a profissionais ligados à sua publicação e tradução. Até 1998, Rushdie foi forçado a viver sob proteção policial, trocando constantemente de endereço.

Radicais iranianos dizem que o decreto de Khomeini é irrevogável e prossegue mesmo após a morte do líder islâmico. Uma organização religiosa iraniana, que ofereceu 2.7 milhões de dólares a quem matasse o escritor, aumentou a recompensa para 3.3 milhões em 2012.

A agência de notícias iraniana Fars divulgou uma lista de 40 veículos que adicionaram dinheiro à recompensa. A própria Fars doou 30 mil dólares.

“Estes veículos somaram 600 mil dólares à recompensa pela morte de Rushdie, no aniversário de 27 anos da promulgação da fatwa, para mostrar que ela segue viva", disse Mansour Amiri, organizador de uma feira de tecnologia, onde este novo valor pelo fim de Rushdie foi anunciado.

A renovação da fatwa se tornou a maior operação para assassinar o escritor desde 1989.
Salman Rushdie ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Em 1998, o governo de Mohammad Khatami declarou que a fatwa havia acabado. Rushdie vivia sob escolta, refugiado, há nove anos na época. Em 2005, o Ayatollah Ali Khamenei renovou a fatwa, dizendo que ela ainda era válida e três líderes religiosos radicais clamaram por seguidores para matar Salman Rushdie.


Leia também:

- Ayaan Hirsi Ali e Salman Rushdie: vozes unidas contra o fundamentalismo
- Entrevista Salman Rushdie: somos todos filhos de Scheherazade
- Assista a todos os vídeos com Rushdie no Fronteiras