Voltar para Notícias

Setembro é mês de mobilidade urbana

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Setembro é o mês da mobilidade urbana no Brasil. Pesquisa divulgada na segunda (19) revelou a percepção dos paulistanos sobre o trânsito e o transporte público. Segundo os moradores da capital paulista, a mobilidade tem melhorado em alguns quesitos como aplicação das leis de trânsito e o aumento de faixa de pedestres. Porém, o paulistano nunca antes passou tanto tempo em deslocamento: são quase 3h por dia no trânsito.

Ao longo destes 10 anos de Fronteiras do Pensamento, recebemos diversos especialistas globais para debater o tema das cidades do futuro, como é o caso de Janette Sadik-Khan. A urbanista norte-americana esteve no Fronteiras 2015, quando explicou a base dos projetos que desenvolve:

“Para as pessoas não quererem um carro, você tem que dar opções de altíssima qualidade, ônibus com muita qualidade e bicicletas com faixas seguras, senão não funcionará. É assim que elas deixarão o carro em casa. Nos EUA, cada vez mais, os jovens nem compram carros, porque estão fazendo uso da economia compartilhada. Lá, carros ficam ociosos 98% das vezes, são usados apenas no fim de semana. O futuro da cidade é mudar o propósito das cidades. É por isso que você vê as cidades do futuro se afastando de projetos para carros e investindo em bons ônibus e estratégias para pedestres."

Em 2016, o Fronteiras do Pensamento recebe o urbanista dinamarquês Jan Gehl, autor do best-seller Cidades para Pessoas. Gehl sobe ao palco do Fronteiras no mês de novembro. Ingressos esgotados.

Leia mais sobre o tema:
- Em entrevista, Jan Gehl sugere análise de ocupação de praças
- Entrevista Geoffrey West: cidades são espaços de interação

Assista abaixo:
Janette Sadik-Khan: "A tecnologia refez quase todos aspectos de nossas vidas. E, entretanto, nossas ruas parecem empacadas em uma conexão discada."


Enrique Peñalosa: "Uma boa cidade tem de dar mais espaço aos pedestres, às bicicletas e ao transporte
público - e menos aos carros."