Voltar para Notícias

Paraplégicos recuperam mobilidade e sensibilidade após novo tratamento com Nicolelis

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Pacientes paraplégicos recuperaram parcialmente os movimentos e a sensibilidade depois do trabalho liderado pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis. Oito voluntários em cadeiras de rodas apresentaram melhora no tato, no controle muscular voluntário das pernas, na função intestinal e na vida sexual.

Durante meses, seis homens e duas mulheres passaram por uma rotina que envolvia treinamento com realidade virtual, uma interface cérebro-máquina e com o exoesqueleto, uma roupa mecânica controlada pela mente.

O objetivo era melhorar a mobilidade por meio das atividades cerebrais, mas a recuperação neurológica parcial surpreendeu a equipe liderada por Nicolelis. "Até agora, ninguém viu a recuperação dessas funções em um paciente tantos anos depois de ter sido diagnosticado com paralisia completa", celebrou o neurocientista.

Uma mulher de 32 anos, paraplégica há mais de uma década, voltou a ficar em pé com ajuda de suportes e já consegue dar alguns passos com a ajuda do equipamento. Outra paciente recuperou as sensações do corpo, ficou grávida e teve um bebê. Durante a gravidez, “ela conseguia sentir as contrações", contou Nicolelis.

O professor acredita que a terapia inovadora estimula nervos que não foram atingidos pela paralisia e que estavam inativos. A novidade pode mudar os tratamentos de reabilitação para 25 milhões de pessoas no mundo, que sofrem de algum tipo de paralisia decorrente de lesão medular.

Os dados do experimento inédito foram divulgados na conceituada revista médica Scientific Reports. “No artigo", explica Miguel Nicolelis, relatamos os doze primeiros meses de trabalho, mas estamos acompanhando esses pacientes num total de 28 meses. E a recuperação nos últimos 16 dobrou quando comparada a essas que estamos relatando".

Leia o artigo na Scientific Reports

Assista abaixo à matéria da World Science Festival



Assista aos vídeos com Miguel Nicolelis no Fronteiras.com