Voltar para Notícias

Richard Dawkins abre temporada 2015 do Fronteiras Porto Alegre nesta segunda-feira

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Richard Dawkins (foto: Murdo Macleod)
Richard Dawkins (foto: Murdo Macleod)

Richard Dawkins abre a temporada 2015 do Fronteiras do Pensamento nesta segunda-feira, em Porto Alegre, em uma conferência com caráter extraordinário: no Auditório Araújo Vianna, para três mil pessoas.

Autor de O gene egoísta, obra que transformou o entendimento sobre o processo de seleção natural, o biologo britânico subirá ao palco para falar sobre como se pode alcançar uma sociedade que funcione de forma cooperativa, apesar das diferenças, tema deste ano do ciclo de conferências.

Dawkins sente-se à vontade com o tópico. Ele já afirmou que seu famoso livro poderia ter recebido também o título O gene cooperativo. A ideia é que a vida surgiu quando unidades replicadores, que flutuavam em uma sopa primordial, conseguiram se combinar para formar organismos individuais. "Todos os genes que possuem a mesma expectativa de futuro, a mesma expectativa de sair do corpo presente e passar para o próximo corpo cooperam. Trabalham juntos. Por isso, corpos são inteiros tão coerentes. É por isso que todos os membros e órgãos dos sentidos trabalham conjuntamente. É simplesmente porque todos os genes que os construíram têm o mesmo caminho de saída para a próxima geração", escreveu Dawkins em Esta é minha visão de vida.

Envie sua pergunta para Richard Dawkins de qualquer parte do Brasil pelo e-mail digital@fronteiras.com
Siga o Fronteiras do Pensamento no Twitter e Instagram para acompanhar a cobertura ao vivo do evento

Clique na imagem e acesse o libreto preparatório para a conferência do biólogo britânico. O conteúdo traz breve biografia, indicação de livros, citação de frases e relação de links e vídeos, além de um trecho da mais recente obra do cientista, Fome de saber (Companhia das Letras), lançada no Brasil após a conferência de Dawkins no Auditório Araújo Vianna.

A conferência também deve desembocar no tema religião, ao qual Dawkins passou a ser associado, na condição de expoente do movimento batizado de Novo Ateísmo. Em livros como Deus, um delírio, ele analisou a religião a partir de um ponto de vista científico, procurando mostrar sua irracionalidade e os malefícios que causou à humanidade. Em 2006, criou a Fundação Richard Dawkins pela Razão e a Ciência, que tem a missão de combater a influência religiosa no ensino e nas políticas públicas. Em entrevista recente à Zero Hora, comentou as reações provocadas por suas posições:

— Se você ler Deus: um delírio, vai descobrir que não é, realmente, um livro destemperado. Ele tem essa reputação porque, na nossa cultura, nos tornamos tão acostumados a tratar a religião com "respeito" exagerado que mesmo um exame crítico suave e sóbrio de ideias religiosas soa destemperado.

Outros oito conferecistas — das mais diversas áreas do conhecimento, mas todos marcados pela inquietude e a interdisciplinaridade — receberam da curadoria do Fronteiras o desafio de discutir, na Capital, novas formas de sociabilidade, tolerância e cooperação. Até novembro, Porto Alegre acolherá o americano Jimmy Wales, fundador da Wikipédia, o escritor português Valter Hugo Mãe, o filósofo inglês John Gray, a neurocientista brasileira Suzana Herculano-Houzel, o filósofo espanhol Fernando Savater e a urbanista norte-americana Janette Sadik-Khan. Cada um deles ficará responsável por uma conferência do ciclo. Um dos encontros terá peso dobrado: em 24 de agosto, um debate especial reunirá Saskia Sassen, uma das principais teóricas da globalização, e seu marido, o também sociólogo Richard Sennett. O pacote para assistir a todas as conferências está esgotado.