Voltar para Artigos

Zygmunt Bauman | Liberdade e segurança: um caso de amor e ódio

O retorno do pêndulo (Zahar), livro de Zygmunt Bauman em parceria com Gustavo Dessal, chega às livrarias brasileiras em maio. Na obra, os dois autores promovem um encontro original entre a sociologia e a psicanálise, tendo como balizas o conceito de liquidez e o legado de Freud.

Escritor e psicanalista argentino, Gustavo Dessal vive na Espanha desde 1982. Autoridade importante em seu campo, principalmente nos países de língua espanhola, Dessal escreveu um e-mail para Bauman sugerindo ao polonês que lhe concedesse uma entrevista sobre sua relação com Freud – e surpreendeu-se com o resultado, a produção de um livro completamente escrito através da troca de e-mails.

Adquira seu pacote de ingressos para a temporada 2017 do Fronteiras do Pensamento Porto Alegre e São Paulo. Plantão de vendas no fim de semana, das 10h às 17h, pelo telefone 4020.2050

“Já havia lido uma grande parte da produção deste homem inesgotável e sempre me chamava a atenção sua constante referência a Freud. Creio que Bauman compreendeu muito bem que sem uma reflexão sobre a subjetividade da sociologia, torna-se inútil pensar sobre os problemas do mundo contemporâneo", afirmou Dessal (foto), que é considerado um dos maiores especialistas na obra de Jacques Lacan.

“Acredito que o conceito de líquido, que Bauman propôs como um paradigma deste novo século, é uma ferramenta fundamental para pensar hoje que também encontra enorme sintonia com algumas considerações que Jacques Lacan apresentou na última parte de sua obra. É uma forma de abordar a dissolução das categorias clínicas e sociais que dominaram o pensamento moderno do século passado, mas que se tornaram obsoletas como resultado da globalização e da metamorfose das relações de poder entre Estado e capital.

Tive a coragem de promover um diálogo entre o conceito de líquido de Zygmunt Bauman e o conceito de sintoma de Jacques Lacan, e o resultado é um livro que tem como objetivo dar algumas pistas para nos guiar na realidade em que vivemos", concluiu o psicanalista.

Bauman, falecido em janeiro deste ano, escreveu mais de 50 livros sobre temas como democracia, laços sociais, comunidade, pós-modernidade, dentre outros tópicos, que também são analisados por ele em entrevista ao Fronteiras, concedida em sua casa em Leeds, onde faleceu.

O RETORNO DO PÊNDULO
Leia abaixo um excerto da fala de Bauman ainda inédita no Brasil (extraído da edição argentina, tradução livre):


LIBERDADE E SEGURANÇA: UM CASO DE AMOR E ÓDIO | ZYGMUNT BAUMAN

Sigmund Freud escreveu, em 1929, sem que nada o tenha contradito seriamente desde então, que “estamos organizados de tal modo que só podemos gozar com intensidade o contraste e muito pouco com o estado." Freud cita o parecer de Goethe em apoio do seu – “Alles in der Welt läßt sich ertragen, / Nur nicht eine Reihe von schönen Tagen" (tudo no mundo pode perdurar / exceto uma sucessão de dias prósperos) - mesmo que isso, “talvez, seja um exagero".

Enquanto o sofrimento pode ser uma condição duradoura e contínua, a felicidade, esse "gozo intenso", é apenas percebida como uma experiência momentânea e fugaz, que se experimenta do início ao fim em um instante quando o sofrimento se detém. "Muito menos difícil – sugere Freud – é experimentar a miséria".

Na maioria do tempo, então, sofremos, e o tempo inteiro nos importuna o possível sofrimento causado por ameaças permanentes que sobrevoam sobre nosso bem-estar.

Há três causas que tememos e de onde pode vir o sofrimento: a supremacia da natureza, a fragilidade dos nossos corpos (bem como dos outros seres humanos) e – de maneira mais precisa, uma vez que acreditamos muito mais na possibilidade de melhorar as relações humanas do que em subjugar a natureza e acabar com as fraquezas do corpo – "a insuficiência das normas que regulam os vínculos recíprocos" entre os seres humanos: “a família, o Estado e a sociedade".

Visto que o sofrimento e o horror ao sofrimento são uma companhia permanente na vida, a ninguém deve surpreender que o processo civilizatório – a prolongada e talvez interminável marcha para um modo de estar-no-mundo que seja mais hospitaleiro e menos perigoso – esteja focado em localizar e barrar estas três fontes da infelicidade humana.

Para os seres humanos se libertarem de seus medos – e a sociedade deve impor restrições aos seus membros –os homens e as mulheres precisam se rebelar contra estas restrições para continuarem avançando no sentido da felicidade. Não é possível regular a terceira fonte de sofrimento humano até que ela desapareça.

A interface entre a busca da felicidade individual e as condições de vida impossíveis de serem usurpadas permanecerá para sempre um cenário de conflito. Os impulsos instintivos do ser humano inevitavelmente colidem contra as exigências da civilização empenhada em combater e superar as causas do sofrimento humano.

Assista a vídeos sobre o tema #FREUD

É por isso que a civilização é uma transação, insiste Freud: para conseguirem algo dela, os seres humanos têm que renunciar a alguma coisa. Tanto os bens que são conquistados como aqueles que são recebidos em troca são altamente valorizados e desejados com fervor; portanto, cada sucessiva fórmula de transação não é mais do que um arranjo de passagem, o produto de um acordo que nunca é completamente satisfatório para qualquer das partes deste antagonismo que arde perpetuamente.

Assista a todos os vídeos com Zygmunt Bauman no fronteiras.com

BAUMAN ZAHAR

A discórdia diminuiria se fosse possível ao mesmo tempo os desejos individuais e as exigências sociais. Mas isso não irá acontecer.

Para conseguir uma vida satisfatória – ou suportável para ser exato –, são tão imprescindíveis as liberdades para agir de acordo com os impulsos, urgências, inclinações e desejos quanto as restrições impostas por razões de segurança, já que segurança sem liberdade é a escravidão, enquanto a liberdade sem segurança desataria o caos, a desorientação e uma incerteza perpétua que resultaria na incapacidade para atuar resolutamente. Porém, ambas são e permanecerão para sempre irreconciliáveis.

A partir dessas premissas, Freud chegou à conclusão de que os sofrimentos e angústia psicológica provêm, em sua maioria, da renúncia de uma parte considerável da liberdade em troca de um aumento na segurança. Esta liberdade é a principal vítima do "processo civilizatório" bem como o maior descontentamento da vida civilizada.

Esse é o veredicto pronunciado por Freud, lembre-se, em 1929. Pergunto-me se essa conclusão teria saído ilesa, caso Freud a tivesse emitido hoje, mais de oitenta anos depois... Eu duvido.

Leia entrevistas sobre o tema #PSICANÁLISE