Voltar para Entrevistas

Emoção ou sentimento? Mental ou comportamental? António Damásio explica a organização afetiva humana

António Damásio no Fronteiras Porto Alegre (foto: Luiz Munhoz)
António Damásio no Fronteiras Porto Alegre (foto: Luiz Munhoz)

Emoção ou sentimento? Coloquialmente, os termos acabam sendo utilizados como sinônimos, mas, na ciência, eles têm diferenças significativas que, uma vez observadas, podem ampliar nossa compreensão sobre o comportamento das pessoas – inclusive de nós mesmos.

Em passagem pelo Brasil para o Fronteiras do Pensamento 2013, o neurocientista português António Damásio falou sobre o tema à Revista Galileu em uma série de vídeos que abordam variadas questões como a ciência no Brasil, o cérebro e as novas tecnologias e a insensibilidade do mundo digital.

Confira abaixo a transcrição do vídeo A diferença entre emoção e sentimento e clique nos links para assistir aos outros vídeos no site original. Leia também a entrevista que Damásio concedeu à Veja sobre o tema, O homem está evoluindo para conciliar a emoção e a razão.

O que é, em termos mais breves ou mais simples, para um público leigo, essa diferença básica entre emoção e sentimento? Emoção é uma coisa, uma reação mais rápida, mais instintiva ou o que diferencia as duas (emoção e sentimento)?
António Damásio:
A emoção é um programa de ações, portanto, é uma coisa que se desenrola com ações sucessivas. É uma espécie de concerto de ações. Não tem nada a ver com o que se passa na mente.

É despoletada pela mente, mas acontece com ações que acontecem dentro do corpo, nos músculos, coração, pulmões, nas reações endócrinas. Sentimentos são, por definição, a experiência mental que nós temos do que se passa no corpo. É o mundo que se segue (à emoção). Mesmo que se dê muito rapidamente, em matéria de segundos, primeiro são ações e pode-se ver sem nenhum microscópio. Você pode me ver tendo uma emoção, não vê tudo, mas vê uma parte. Pode ver o que se passa na minha cara, a pele pode mudar, os movimentos que eu faço etc enquanto o sentimento você não pode ver.

O sentimento eu tenho e você não sabe se eu tenho ou não tenho. E se você tiver um sentimento de profunda tristeza, mas se me quiser enganar, e quiser comportar-se como se estivesse alegre, vai me enganar mesmo, porque eu não posso saber o que está dentro da sua cabeça, posso adivinhar, mas é diferente.

Isso é uma diferença fundamental. É a diferença entre aquilo que é mental e aquilo que é comportamental. É uma reação inata, o sistema de reações é inato e desencadeado por um determinado processo, geralmente um processo intelectual, uma coisa que se percebe, se ouve, que se vê, etc e depois acontece dentro do corpo dessa forma complexa. Essa é a grande diferença. E como é evidente, é mais fácil perceber o que se passa objetivamente do que perceber uma coisa que se passa dentro da mente de outrem. Portanto, este é um aspeto de grande êxito para a neurociência, mas que ainda está em curso. Se você me entrevistar daqui 10 anos, vai ver incríveis desenvolvimentos, que vão acontecer neste espaço de tempo.

Outra coisa que também é muito importante e que começou a acontecer, tem a ver com a tomada de decisões e com o mundo da vida social, não da vida social no sentido barato do termo, mas da vida social em termos da organização da sociedade. E uma coisa, por exemplo, se você ler O erro de Descartes, especialmente nas últimas páginas, há uma série de passagens em que eu aponto para isso. Em que eu digo, bem no fundo as coisas que estão a acontecer no hipotálamo e que estão a acontecer no Tronco cerebral, que estão a acontecer no Córtex cerebral, tem muito a ver com coisas que se passam no mundo social, como exemplo, a Declaração de Independência dos Estados Unidos.

Estava a fazer a ponte entre aquilo que acontece no cérebro e aquilo que acontece na nossa vida em matéria de organização social. Porque, tal como hoje penso, e aparece também no meu ultimo livro, Self comes to mind (E o cérebro criou o homem) - nunca consigo lembrar o título, penso sempre no homem que criou o cérebro -, aquilo que eu aponto, também ali, é que, a nossa vida e a nossa organização social são um reflexo extraordinariamente importante da nossa organização básica afetiva.

A razão pela qual temos uma sociedade organizada da forma que temos, aquilo que acontece em matéria da criação da moralidade, justiça, economia, política, e mesmo termos mesmo das artes e humanidades, tudo isso tem uma influência extraordinariamente grande na vida dos afetos.

Assista ao vídeo com a fala acima e assista também aos outros vídeos da entrevista:

- O cérebro e as novas tecnologias
- A ciência de ponta no Brasil
- O mundo digital e a insensibilidade

Interessado nas pesquisas de Damásio? Veja também a entrevista exclusiva com o neurocientista concedida ao Fronteiras do Pensamento.