Voltar para Artigos

MEMÓRIA: a humanidade e a neurociência caminham lado a lado

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Imagem: David Matos / Unsplash
Imagem: David Matos / Unsplash

Existe uma questão pertinente sobre o ano de 2020 que muitos de nós já se detiveram. Alguns, inclusive na forma de memes e brincadeiras na internet. Como será que lembraremos de todo o período de enfrentamento da pandemia quando a vivência ocupar o passado? Como contaremos para os nossos filhos e netos sobre o enfrentamento e as consequências da Covid-19?

O cérebro é um dos mais poderosos órgãos do nosso corpo. Influenciado por ambiente e vivência, ele atua – entre as suas diversas funções – no registro e na formação de memórias. É daqui que surge a alegria de relembrar ou a melancolia de algo que não voltará. Ou até mesmo traumas e problemas psíquicos.

Nesta temporada, o Fronteiras do Pensamento vai debater Reinvenção do humano. É a memória – com seus encantos e desafios – que traremos nesta seleção de conteúdos especiais. Um tema a partir do qual formamos o que somos em essência.

Steven Pinker fala sobre os lados forte e fraco da memória. Iván Izquierdo reflete sobre a memória mais antiga de todas. António Damásio explica os avanços da neurociência. Elisabeth Roudinesco destaca os benefícios da melancolia. E Susan Greenfield mostra como será o cérebro do futuro. 


“Temos necessidade, de vez em quando, de nos abandonarmos a uma certa perda dessa realidade.”

Elisabeth Roudinesco



Steven Pinker, psicólogo e teórico evolucionista canadense e conferencista do Fronteiras do Pensamento em 2009, explica que a maior parte de nossas memórias não é codificada em linguagem. Lembramos o conteúdo ou o significado ou a essência do que lemos, mas não o palavrear exato.

1) Assista ao vídeo de Steven Pinker.

 

Iván Izquierdo, médico e cientista argentino naturalizado brasileiro e conferencista do projeto em 2007, reflete sobre o seio da mãe, uma das mais antigas e poderosas memórias dos seres humanos.

2) Assista ao vídeo de Iván Izquierdo.

 

O médico e neurocientista português António Damásio, conferencista do Fronteiras em 2013, fala sobre como considera os estudos clássicos importantes para a compreensão do comportamento humano. Segundo ele, a história da humanidade e o avanço da neurociência andam de mãos dadas assim como razão e emoção. Não é possível dissociar ou escolher apenas um caminho.

3) Assista ao vídeo de António Damásio.

 

Momentos melancólicos, muitas vezes, propiciam reflexões existenciais produtivas para a esfera pessoal do ser humano. A psicanalista francesa Elisabeth Roudinesco, conferencista do Fronteiras em 2016, diferencia o estado melancólico da depressão, destacando o potencial criativo da melancolia.

4) Assista ao vídeo de Elisabeth Roudinesco.

 

Susan Greenfield, neurocientista britânica e conferencista do Fronteiras em 2012, fala sobre a influência das novas tecnologias em nossas vidas, em como pensamos e sentimos o mundo na conferência “O futuro do cérebro, o cérebro do futuro”.

5) Assista ao vídeo especial de Susan Greenfield.

 
>> Inscreva-se para receber os conteúdos especiais que preparamos para instigar a reflexão neste período de isolamento.