Voltar para Artigos

O digital é o novo normal

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Manuel Castells
Manuel Castells

Agora sabemos para que serve a internet. Para se comunicar, como já era óbvio. Não isola, mas relaciona. Não aliena, mas encoraja. Não elimina a emoção, mas a alimenta. Não é comida, mas sem os pedidos de suprimentos e receitas on-line, seria mais difícil comer agora. Graças ao teletrabalho, as atividades econômicas e administrativas são mantidas. E, assim, o curso na universidade será concluído. Ainda, de acordo com a recomendação do governo da Argentina durante o confinamento, o cibersexo permite relaxar a tensão acumulada. 

"Agora entramos totalmente em uma sociedade digital em que já vivíamos, mas que ainda não havíamos assumido."

Manuel Castells

Não haverá volta. Porque o novo normal não será o que conhecíamos. E assim como a saúde pública será nossa garantia de sobrevivência, também será a digitalização completa de nossa organização econômica e social, o que se tornará uma estrutura permanente para manter nossa comunicação em todas as circunstâncias. E a comunicação é a base da vida. “Ah, mas e o fosso digital?” Aqui ainda caminhamos com ideias obsoletas, de duas décadas atrás, quando a crítica social superou a nova realidade tecnológica antes de saber o que era. Bem, veja, para falar apenas da sociedade espanhola, 91,4% dos lares têm acesso à Internet através de um computador. E se contarmos as famílias que têm pelo menos um jovem, elas são 93,3%. Mesmo em cidades com menos de 10.000 habitantes, 74% das famílias têm acesso à Internet. Além disso, naturalmente, temos os locais de trabalho e universidades, onde o acesso e o uso da Internet são a regra.

Mas há algo ainda mais importante: a taxa de penetração das linhas de telefonia móvel por 100 pessoas é de 115%, ou seja, existem mais linhas do que pessoas. 97% das pessoas têm celulares e 87% desses celulares são smartphones, ou seja, um computador com acesso à Internet no bolso. E os antigos? Sim, eles usam menos internet, mas a maioria usa o WhatsApp porque é fácil e permite que eles tenham um relacionamento com a família, amigos e a vida em geral. Isso explica por que 75% das pessoas usam regularmente o WhatsApp.


Em média, uma pessoa passa 5,5 horas por dia online. Ou seja, já tínhamos integrado totalmente (são dados de 2019) a comunicação digital em todas as áreas e é por isso que a transição para novas formas de relacionamento e atividade durante o confinamento foi menos dramática. Em parte, porque este país (a Espanha) possui um bom sistema de telecomunicações e as redes suportaram a explosão do tráfego durante o confinamento, sem incidentes notáveis.

Claro que há desigualdade social na sociedade digital. Como há também na sociedade em geral. O surpreendente seria o oposto. Mas você sabe de uma coisa? A desigualdade no acesso à Internet é muito menor que a desigualdade de renda ou riqueza, na Espanha e no mundo. Tal como o estudo que fizemos da UOC com Mireia Fernández-Ardèvol mostrou para toda a América Latina. O motivo é muito simples: a comunicação é o que as pessoas mais valorizam como recurso, pois é essencial para o trabalho, relacionamentos, informações, entretenimento, educação, saúde e qualquer outra coisa.

Claro que existem problemas muito sérios na transição para o digital. Um exemplo: a implementação desigual de redes atualizadas e programas fáceis de usar. Dois setores em particular são tremendamente deficientes: administração pública e educação não universitária. Certamente, ambos os setores progrediram consideravelmente desde o estudo sobre novas tecnologias na Espanha que eu conduzi na Idade Média (bem, um pouco menos, nos anos oitenta). Mas eles ainda estão consideravelmente atrás de empresas, instituições financeiras, organizações sociais, imprensa, universidade e até pessoas que navegam sem parar no mundo digital.

No mundo digital não estão apenas os chamados nativos digitais (que serão a maioria em algum tempo), mas qualquer um que queira fazer alguma coisa. Talvez com a respeitável exceção de algum humanista que reivindica seu direito à objeção de consciência de viver no mundo cada vez mais digital que criamos. Uma atitude compreensível como reação aos exageros dos profetas da tecnologia se transformou em vendedores de poções milagrosas. Para aliviar seus medos, eles devem consultar a riqueza da pesquisa científica acumulada na Espanha e no mundo. Estudos mostram que o contato direto entre as pessoas não desaparece com a internet, pelo contrário, é estimulado. As duas formas de sociabilidade são cumulativas. E que um uso mais intenso da internet tem efeitos positivos na satisfação das pessoas, porque a internet favorece dois fatores fundamentais que causam essa satisfação: a densidade das relações sociais e o empoderamento pessoal.

Portanto, nosso mundo é e será necessariamente híbrido, feito de realidade carnal e realidade virtual. É uma cultura da virtualidade real, porque essa virtualidade é uma dimensão fundamental da nossa realidade. E quando ameaças como a atual pandemia surgem sobre nossas vidas, podemos nos retirar, adaptar e recomeçar, sempre em direção ao abraço, que, é claro, não podemos e nem queremos virtualizar.



>> Assista aos vídeos de Manuel Castells ao Fronteiras do Pensamento.

(Via La Vanguardia)