Voltar para Entrevistas

Contardo Calligaris: "Há uma espécie de necessidade de convivência que não nos faz bem."

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso

Precisa crescer? Precisa ser melhor? Precisa evoluir? Segundo Contardo Calligaris, a necessidade de aprender a conviver com os outros pode ter se tornado mais uma causa para culpas e frustrações, assim como a necessidade de ser feliz, ideal para o qual ele também faz ressalvas.

Em entrevista, Calligaris não questiona apenas a necessidade de saber conviver, mas a necessidade de se conviver bem, defendendo até que um certo toque de tensão pode tornar as relações mais interessantes. Concordando ou não, a fala de Contardo Calligaris busca perturbar e libertar ao mesmo tempo.

O que mais lhe interessa em relação ao tema da convivência?
Contardo Calligaris: Minha primeira pergunta para mim mesmo é por que seria bom viver juntos? E a questão talvez mais interessante: de onde viria de cada um de nós, ou pelo menos de quase todos, inclusive dos que vivem felizes relativamente sozinhos, a sensação de que seria muito mais certo sermos capazes de conviver com os outros? Esta seria um pouco a minha pergunta prévia, ou seja, em termos bem psicanálise dos anos 30, a ideia de que viver juntos é uma espécie de imperativo superegoico que produz em cada um de nós uma série de consequências, aliás, não necessariamente das melhores, ou seja, culpas, inibições, sentimento de fracasso, inadequação e companhia.

Eu acho que a força desse imperativo na nossa sociedade, sobretudo a partir dos ultimos 40, 50 anos, é extraordinária. Porque além do seu sentido mais genericamente político, de "aprofundar a convivência democrática", tudo isso entre aspas, por favor, também do ponto de vista da convivência cotidiana, a ideia de que a gente deveria estar pelo menos desde os anos 1970 em uma espécie de aprofundamento contínuo da vida dividida, da vida a dois, do casal, ou qualquer outro tipo de convivência que seja, esta ideia está não só completamente presente, mas constantemente mais presente.

Freud disse, num texto de 1930, que "a intenção de que o homem seja 'feliz' não se acha no plano da 'Criação'". E que o sofrer nos ameça pela finitude do corpo, pelas catástrofes da natureza e, tanto quanto, pelas relações com os outros seres humanos. Estamos vivendo um momento particularmente urgente em relação à convivência?
Contardo Calligaris: Na minha experiência clínica, comparada com o clima dos anos 70 e 80, por exemplo, e mesmo em alguma medida nos anos 90, acho que a grande dificuldade da maioria das pessoas que me consulta não é encontrar alguém, usando essa expressão batida, mas a grande dificuldade é se separar.

O tempo médio que um casal leva para se separar enquanto ambos vivem uma vida reconhecidamente horrorosa juntos é de três a cinco anos. Isso não é o tempo do divórcio até a anulação do casamento - o papa Francisco decidiu que pode acontecer em até 45 dias. O problema é chegar até o pedido! Isso pode levar de três a cinco anos, o que é engraçado, porque dá a impressão que as pessoas devem pensar que eles têm uma vida realmente ilimitada, contrariamente à finitude de que falava Freud.

Em última instância, isso significa que a ideia de que a convivência ou o fim da convivência seja um fracasso que o sujeito ou sujeitos não querem encarar é uma ideia justa e é muito forte. Não basta alguém dizer 'eu sou muito infeliz no meu casamento, então seria bom que eu me separasse', não, o problema não é que vou perder o outro, o problema é que eu vou perder alguma coisa que vai na direção da realização de um ideal de convivência, que pelo menos era a minha tentativa de realizá-lo.

Acho que não vivemos um momento particularmente urgente, não no sentido em que teríamos urgentemente que começar a conviver, mas é urgente notar que há uma espécie de necessidade de convivência que não nos faz bem.

Há quem diga que o Brasil está dividido ideologicamente. A política tornou-se uma paixão nacional, no sentido de não haver racionalidade nesse debate e muito mais agressões?
Contardo Calligaris:
Não sei se nesse tipo de debate a racionalidade alguma vez realmente funcionou, porque o espírito que funciona é muito mais o espírito da torcida de futebol do que o interesse político. O espírito da torcida de futebol é que você é do Corinthians e eu sou do Palmeiras e, a partir disso, discutir os méritos recíprocos, a qualidade dos jogadores, ou se quem jogou melhor no último jogo e se merecia vencer, é totalmente impossível.

O que tomou conta e o que toma conta muito frequentemente do político é, na verdade, um espírito de torcida. Mas isso não é um fenômeno só brasileiro. Foi um fenômeno norte-americano bastante forte ao longo da gestão Obama, que a gente chama de uma polarização da vida política. Mas não é tanto uma polarização de opiniões e posições, é um espírito de torcida.

É engraçado, porque alguém poderia dizer que isso é um sucesso da convivência, porque a convivência, afinal, não precisa ser universal; parece que dentro de cada grupo, aparentemente, todo mundo concorda ao redor dos mesmos "grandes princípios", entre aspas, que geralmente são miseráveis, mas então aí a convivência estaria se dando muito bem. Aliás, isso seria instrutivo até para se perguntar se é sempre necessariamente tão bom conviver, porque os membros da mesma torcida convivem muito bem.

Recentemente, você disse que a falta de interesse pelo mundo e pelos outros é o que pode acontecer de pior a alguém. Seria uma negação da convivência?
Contardo Calligaris: É muito facilmente assim que os outros percebem a posição de alguém que perdeu o interesse pelo mundo e pelos outros, o que significa também por ele mesmo. Porque alguém realmente deprimido nesse sentido, aos olhos dos outros é quase agressivo.

A accidia, como era chamada na Idade Média - enfim, a tristeza, seria na tradução exata -, era um dos pecados capitais, e era considerado o mais grave por ser um pecado contra Deus, porque significava que você não apreciava o maior presente de Deus que era a criação. Então, não é estranho que a gente ache que, quem ao redor de nós se deprime, de alguma forma está pecando contra nós. O Deus cristão já pensou nisso.

Um dos versos de Chico Buarque, em Estação Derradeira, fala em "cidadãos inteiramente loucos com carradas de razão". Considera algum aspecto saudável na depressão?
Contardo Calligaris: Eu acho que a gente tem todo o direito do mundo de estar triste. Até tem várias pessoas para quem é absolutamente inevitável ter uma espécie de pano de fundo melancólico sempre na vida. Tem uma série de razões que vem da infância, da vida de cada um de nós.

Vou dizer isso de maneira metafórica, claro, como se cada um de nós tivesse uma tonalidade cromática, uma cor que é dele, e há pessoas que têm uma tonalidade cromática mais triste por mil razões. Sei lá, se a sua mãe se suicidou quando você tinha seis anos, existe o fato que você tem razão de pensar que o seu nascimento não foi uma razão suficiente para ela continuar vivendo. Isso dá uma tonalidade ao mundo, à sua experiência do mundo que é inalterável, essa vai ser a sua tonalidade. É só um exemplo, poderia dar outros.

Mas tem pessoas para quem uma certa melancolia, um certo spleen, como dizem os românticos, é a relação que eles têm com o mundo. É certo que assim seja e tem certas pessoas que acham que a tristeza é a melhor relação possível com o mundo. Por exemplo, os poetas românticos. Se você vai falar para Baudelaire: "Tente ser feliz a cada dia", ele vai te mandar à merda. Ou Giacomo Leopardi... Para eles, a tristeza é a fonte principal da sua visão do mundo, da sua inspiração, do que torna o mundo interessante aos olhos deles.

Nós estamos muito mais numa época que faz da alegria uma espécie de valor, um valor heurístico. Eu tenho dúvida quanto a isso, volto ao que dizia Freud do começo, até sublinhando, que talvez a gente tenha mais acesso à verdade do mundo - não digo pela depressão, porque a depressão diz respeito a ficar parado sem pensar em absolutamente nada, a depressão clínica -, mas talvez tenha mais acesso à verdade do mundo pelo viés da tristeza do que pelo viés da alegria, ou sobretudo de uma alegria um pouco maníaca, tipo aquela coisa, sabe, "vamos lá, sejamos felizes".