Voltar para Entrevistas

Luc Ferry: "De tanto vivermos no passado e no futuro, não vivemos"

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Luc Ferry encerra a temporada 2019 do Fronteiras
Luc Ferry encerra a temporada 2019 do Fronteiras

Luc Ferry é um dos mais populares filósofos da atualidade. Autor de dezenas de publicações sobre temas atuais e questões existenciais, foi com seu livro Aprender a viver, que se tornou um best-seller com reconhecimento internacional.

Pelo público do Fronteiras, Ferry é celebrado como um dos mais esclarecedores convidados ao longo destes anos, por sua capacidade de apresentar questões atemporais através de situações práticas do nosso cotidiano. É por isso que ele retorna ao ciclo de conferências - para finalizar, com a filosofia, um ano de reflexões sobre os Sentidos da Vida

Luc Ferry encerra a temporada 2019 do Fronteiras do Pensamento esta semana.

Em Porto Alegre, o filósofo se apresenta à plateia presente no Salão de Atos da UFRGS nesta segunda-feira (12). Em São Paulo, ministra sua fala no Teatro Santander, nesta quarta (13). Garanta sua presença na conferência com um dos filósofos mais instigantes da história do projeto.

- Pacotes esgotados para Porto Alegre
- Adquira seu pacote de ingressos para São Paulo

Luc Ferry foi ministro da Educação na França, de 2002 a 2004, durante o governo de Nicolas Sarkozy, com uma experiência marcada pela promulgação da lei que regula o uso de sinais religiosos ostentatórios nas escolas (como a burca muçulmana), mais conhecida como Lei da Laicidade. Em 2004, também foi presidente do governamental Conselho de Análise da Sociedade.

Em suas obras, ele trata de assuntos recorrentes da sociedade moderna, como o amor, a ecologia e o casamento. Em livros como O que é uma vida bem-sucedida (Difel, 2004), Aprender a viver (Objetiva, 2007) e Famílias, amo vocês (Objetiva, 2007), fala sobre os efeitos da globalização na vida privada e a rivalidade entre a filosofia e a religião na busca do sentido da existência.

Em entrevista, o filósofo discute valores contemporâneos, como o sucesso e a competitividade, além de tópicos que envolvem nossas vidas, como as novas gerações e a internet.

O que é a “vida boa", a “vida bem-sucedida"?
Luc Ferry: A vida boa é uma vida de amor. Isso é uma evidência constantemente presente em nossa vida privada e, mesmo assim, quase não ousamos tocar nesse assunto fora da intimidade.

Hoje em dia, é o amor que dá sentido à nossa vida, é com relação ao amor que definimos o que é uma “vida boa". Todo mundo sabe disso. Mas, o que nem todos sentem é que esse poder dos sentimentos nem sempre foi a regra.

Na verdade, o amor está ligado a uma história pouco conhecida, à qual dediquei meus últimos livros: a invenção do casamento por amor no Ocidente.

Como ela afetou a sociedade?
Luc Ferry: Quando o casamento de conveniência foi substituído pelo casamento escolhido pelo e para o desenvolvimento do amor na família, esse amor acabou substituindo pouco a pouco os valores tradicionais.

Hoje em dia, é o amor que detém um quê de sagrado, e é a partir dele que definimos o sentido de nossa vida. Porque o sagrado não é somente o oposto do profano, mas um princípio pelo qual daríamos a vida.

De fato, muitos homens já sacrificaram suas vidas em guerras em nome de Deus, da nação ou da revolução. Mas, quem morreria hoje em dia, pelo menos no mundo ocidental, por Deus, pela pátria ou pelo comunismo? Quase ninguém. Ainda bem.

Entretanto, faríamos tudo pelas pessoas que amamos. Para além do ideal republicano dos direitos e da razão, está nascendo uma segunda era do humanismo, que interfere na vida privada e também na vida em sociedade.

Os gregos diziam que há dois empecilhos para se alcançar uma vida boa, o passado e o futuro. Numa sociedade ameaçada pelos erros do passado, com medo de cometê-los no futuro, como viver a vida boa?
Luc Ferry: Para os gregos, o passado e o futuro são os dois grandes males da vida, por serem dimensões do tempo que não existem mais, ou não existem ainda, que nos impedem de viver na única dimensão real: o presente.

O passado nos puxa para trás: se tivemos um passado feliz, ficamos nostálgicos. Se for um passado triste, ele nos mergulha no que Spinoza batizou de “paixões tristes": arrependimentos, remorsos, vergonhas e culpas que amarguram a existência e não deixam saborear o presente.

Isso nos leva a procurar no futuro a esperança. Porém, segundo os gregos, a esperança também esvazia o presente do seu valor, em nome de um futuro incerto.

Pensar que as coisas vão melhorar quando trocarmos de carro, de corte de cabelo, de sapatos ou de amigos, é ilusão. A esperança e a nostalgia, o futuro e o passado são “nadas", pois o passado não existe mais e o futuro ainda não existe.

Por causa deles, acabamos quase nunca vivendo na única dimensão real do tempo: o presente.

Sêneca, o grande estoico romano, dizia que de tanto vivermos no passado e no futuro, “não vivemos". Chegamos, então, ao famoso Carpe diem (“Aproveite o dia") de Horácio. Temos que colher o dia de hoje, sem nos deixar distrair pela preocupação do dia seguinte ou pelas nostalgias passadas.

Vivemos num mundo muito competitivo. O “direito" de ser feliz não cria uma geração de adultos mimados, que pensa que deve fazer tudo para chegar à felicidade?
Luc Ferry: Há duas escolas na tradição filosófica. Para os utilitaristas ingleses, a felicidade é o objetivo da vida e todos têm direito a ela.

O princípio fundamental é que, se uma ação é moralmente boa, ela tende a aumentar a soma de felicidade no universo. Caso contrário, é má. É uma questão de custo e benefício.

Já para Kant e os republicanos franceses, a ação moral não é obrigatoriamente aquela guiada pela busca da felicidade; ao contrário, trata-se da ação desinteressada.

Além do mais, a felicidade é uma ideia sem sentido, porque é indefinível. Uma pessoa sonha com uma volta ao mundo em um veleiro, já outra detesta o mar. Uma adora caçar, enquanto seu vizinho cuida de animais. Outra vive intensamente sem pensar no dia de amanhã, enquanto seu irmão constrói a vida levando em conta o futuro. Como calcular algo nessas condições?

Os seres humanos conhecem momentos de alegria e, às vezes, até momentos de graça e de serenidade, mas não conhecem nada que se pareça com um estado de felicidade estável.

Por isso, a felicidade é, afinal de contas, uma quimera da imaginação. O melhor seria dizer a nossos filhos que uma vida boa é, antes de tudo, uma vida inteligente e livre, o que implica trabalho e muitos esforços.

O senhor vê o medo, a urgência e o decrescimento econômico como pilares do pensamento ecológico. Estaremos preparados para o decrescimento e a mudança na qualidade de vida?
Luc Ferry: Daqui a 20 anos, talvez até antes disso, as nossas sociedades industriais vão ter que lidar com uma penúria de matérias-primas não renováveis sem precedente. Essa situação é iminente.

A verdade é que estamos frente a uma “antinomia", ou seja, uma contradição entre duas teses opostas, mas igualmente verdadeiras, que ninguém conseguiu resolver. Por um lado, o crescimento mundial parece efetivamente insustentável.

Tendo em vista que a Índia e a China, com uma taxa de crescimento anual de quase dois dígitos, entraram de cabeça na lógica do capitalismo moderno, precisaríamos dos recursos naturais de vários planetas iguais ao nosso para alimentar esse desenvolvimento.

Por outro lado, o decrescimento não é politicamente atraente e é socialmente impraticável. Ninguém, nem o ecologista mais radical, imagina um partido político propondo aos eleitores a falência das empresas e o desemprego dos cidadãos, consequências óbvias de uma política de decrescimento se ela for aplicada hoje. Vamos ter que encontrar soluções.

Vejo três possibilidades: redução demográfica, inovação técnica e, principalmente, transição do descartável para a reciclagem.

O senhor chamou a internet de “praça de conformismo". A morte de Steve Jobs foi lamentada como a perda de um grande líder. Será que mudamos a nossa noção de líder?
Luc Ferry: O que impressiona sobre o que foi dito após a morte de Steve Jobs é o uso incansável da palavra “gênio", repetida em inúmeras homenagens. O fundador da Apple não nos ofereceu somente pequenas joias tecnológicas, também nos deu o modelo puro da genialidade no século 21.

De fato, suas “obras", assim como as telas dos artistas Jeff Koons e Damien Hirst, simbolizam perfeitamente as duas principais características da nossa época: de um lado, a lógica da inovação pela inovação, mecanicamente induzida pela globalização do “benchmarking" (os modelos de competência máxima), e, do outro, a lógica do consumo lúdico.

Steve Jobs sabia muito bem que um empresário ou um artista que não inova está fadado a desaparecer. Mesmo que o iPhone 5 traga inovações insignificantes em relação ao modelo anterior, todos os fãs da marca vão comprá-lo. Seu sucesso colossal confirma a dominação total da lógica dupla da inovação e do consumismo sem fim, sem possibilidade de parar e sem um objetivo realmente definido.

O senhor também disse que os aficionados do iPhone parecem mergulhados em um vício.
Luc Ferry: Exatamente. Porém, Steve Jobs é tudo, menos um verdadeiro gênio. Em seu famoso discurso de 2005, perante um público de estudantes fascinados, ele alinhou os lugares-comuns mais banais do imaginário liberal.

A melhor coisa que já aconteceu a ele? “Não ter estudado" (leia-se: a cultura clássica não serve para nada).

A segunda melhor coisa? “Ter perdido tudo e ter precisado recomeçar do zero" (o sucesso fácil demais anestesia).

A terceira, “o câncer". Sem a morte e a pressão do fim inadiável, cederíamos à preguiça.

Dizem que Jobs era um chefe brutal e grosseiro, mas que isso não tem importância. Só se for pelo prisma da globalização!

Com certeza ele é um herói dos tempos modernos. Não somente enriqueceu e ficou famoso, como também influenciou nosso modo de vida, mais do que a maioria dos políticos.

Mas se, ao contrário dele, acreditarmos que existem outras lógicas, éticas e espiritualidades, e que a transcendência da beleza e do amor, transfigurada na escrita ou na arte, pode ir além dos prazeres do consumismo, Steve Jobs, que na verdade não inventou nem o computador, nem a internet, nem mesmo a tela tátil, e não foi autor de nenhuma revolução científica, não é um gênio.

Jobs é só um incrível empresário que soube como ninguém refletir a lógica da época.

(Via Revista Planeta)