Fronteiras Educação contempla seis mil estudantes em 2014

Postado em fev. de 2015

Literatura | Educação | Cultura

Fronteiras Educação contempla seis mil estudantes em 2014

O módulo educacional do Fronteiras do Pensamento é destinado a estudantes e professores de escolas públicas de Porto Alegre. O projeto apresenta alguns dos temas-chave tratados nas conferências do seminário internacional,


O módulo educacional do Fronteiras do Pensamento é destinado a estudantes e professores de escolas públicas de Porto Alegre. O projeto apresenta alguns dos temas-chave tratados nas conferências do seminário internacional, proporcionando um espaço de diálogo entre professores e alunos da chamada geração Z.

No primeiro encontro do Fronteiras Educação, o escritor Fabrício Carpinejar e Joana Bosak, professora do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, receberam Ricardo Corrêa, sócio-fundador da TC Urbes, empresa que atua em consultoria em mobilidade urbana. A discussão girou em torno da criação das megacidades, seu planejamento e em como a vida flui por entre as ruas, os carros e as construções.

Justiça, tolerância e igualdade foi o tema do segundo encontro. Carpinejar e Joana compartilharam o palco com Rodrigo Lopes, correspondente internacional da Zero Hora. O assunto tem sido recorrente nas mídias sociais e na imprensa. Casos de racismo em jogos de futebol, de intolerância durante as eleições, de desigualdade social nas cidades. "Todos somos diferentes. Mas vivemos num mesmo mundo. Então, como lidar com as diferenças do outro, podendo aprender e debater de forma saudável e tolerante?", disse o jornalista.

Durante o terceiro encontro, a cultura contemporânea foi discutida pelo público que lotava o Salão de Atos da UFRGS. Desta vez, Carpinejar e Joana conversaram com o professor de Artes Visuais Eduardo Veras. Juntos, colocaram aos jovens questões como: "como fazer com que todas as manifestações culturais de hoje convivam harmoniosamente?" e "como garantir espaço para todas as diferentes religiões e práticas culturais mantendo a nossa identidade?". "Mas a cultura nunca se expressou somente através da imagem: a dança, a poesia, a música, a literatura e o cinema vão se somando às expressões típicas da nossa era, aquelas que vão desmaterializando as próprias imagens em informação, como fazem todas as expressões digitais ou que misturam arte com sentimentos confusos da vida humana nas cidades cada vez mais violentas, poluídas, cinzentas e habitadas. O grafite, a pichação e o hip-hop são resultado dessas sensações conflitantes", disse Veras.

No último encontro do ano, o tema foi Ciências. Dessa vez, foi o físico Emerson Luna que se juntou ao escritor e à professora. Luna contou sobre sua experiência como físico e falou de sua decisão de cursar esta graduação. "Por mais difícil que a física pareça, a meta dos cientistas sempre deve ser se divertir e gostar de fazer estas buscas pelo desconhecido", explicou.

O Fronteiras Educação, pelo quinto ano consecutivo, tem o patrocínio exclusivo da Petrobras e a parceria institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e da Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre.

Compartilhe