Pesquisadora francesa criticou todas as formas de extremismo

Postado em out. de 2022

Educação | Sociedade | Psicologia e Saúde Mental | Mulheres Inspiradoras

Pesquisadora francesa criticou todas as formas de extremismo

A psicanalista relacionou os temas tecnologia, pulsão de morte e desvios identitários durante sua conferência.


Em sua conferência, realizada em São Paulo no dia 17 de outubro e em Porto Alegre no dia 19 de outubro, a psicanalista Élisabeth Roudinesco relacionou os temas tecnologia, pulsão de morte e desvios identitários. Partiu sua reflexão dos impactos positivos e negativos das tecnologias modernas na sociedade e alcançou os seus efeitos no indivíduo. E aproximou o tema da Temporada 2022 do Fronteiras do Pensamento, Tecnologias da vida,  às questões dessas metamorfoses, centrais no seu último livro O Eu soberano, com o qual relaciona atribuições e derivas identitárias.

Partindo do tema "Tecnologia, pulsão de morte e desvios identitários", a psicanalista francesa teceu a teia de sua conferência. Considerada a mais importante historiadora da psicanálise, a psicanalista francesa é graduada em letras e linguística pela Sorbonne, mestre e doutora pela Universidade de Paris VIII. Publicou História da psicanálise na França e as premiadas biografias Jacques Lacan e Sigmund Freud na sua época e em nosso tempo. É professora na Universidade de Paris VII e sua obra aborda temas como literatura, feminismo, revolução francesa e judaísmo. Seu mais recente livro, entre os 20 títulos já publicados para mais de 30 idiomas, é O Eu Soberano: ensaio sobre as derivas identitárias. Como intelectual polêmica e engajada, analisa temas como gênero, imigração e especismo em textos do jornal Le Monde, para o qual escreve há mais de duas décadas.

Impossibilitada de vir ao Brasil e estar fisicamente no palco por motivos de saúde, Élisabeth, atualmente com 78 anos, falou de Paris e dividiu suas ideias com a moderadora, a escritora Mary Del Priore, e, em São Paulo, também com o convidado Christian Dunker, também psicanalista. Das revoluções positivas que trouxeram as tecnologias para a nossa existência, Roudinesco adentrou territórios de onde ela não nos protegeu: "a ascensão das ditaduras nacionalistas, racismo, antissemitismo, irracional, as crenças mais estúpidas." E é deste ponto, que a psicanalista aponta o nascedouro de uma "impressão de preocupação". 

Nem atitude retrógrada (opondo-se a tudo) nem o aventureirismo frenético (aceitando cegamente tudo o que se acredita "emancipado"). Esses dois extremistas favorecem, de fato, a ascensão do extremo, argumentou, durante sua fala a conferencista. Acima de todos os movimentos, seu entendimento é que, na realidade, diante de nossos olhos, um mundo está se desenrolando (desconstruindo-se, que não tem nada a ver com destruição), mas sim com um "grande ponto de virada".

A psicanalista enumerou fenômenos dos extremos presentes na contemporaneidade. Desses,  resultando em uma onda de insultos de ambos os lados. "Basicamente, essa bipolarização entre dois extremismos torna-se assustadora para quem quer estudar objetivamente a gênese da questão identitária contemporânea", conclui Élisabeth Roudinesco. É sobre esses movimentos que chama de desvios identitários, retraimento, negação da alteridade ou mesmo culto narcísico das pequenas diferenças.

Segundo a conferencista, fala mais alto o desejo de não se deixar exterminar pelos poderes totalitários. Mas, destaca a presença das novas tecnologias. "Se elas permitiram progressos consideráveis em todas as áreas, provavelmente favoreceram, na forma como foram utilizadas – como ideologia e não como tecnologia ao serviço dos humanos – uma histerização das identidades que resultou em uma reversão dos valores emancipatórios que inicialmente carregavam."

Mas a mensagem final é de positividade: "Nunca devemos perder a esperança porque, por meio de sua humanidade, o ser humano também é capaz de se libertar das garras e opressões porque é habitado por um desejo de liberada". 

Para você conferir outros destaques da conferência de Élisabeth Roudinesco, pode ler a matéria produzida pela Zero Hora e pela Folha de São Paulo (restrito a assinantes).

E para você conferir esta e mais 11 conferências na Temporada 2022, ainda dá tempo! Você pode assisti-las quando e de onde quiser até 15 de dezembro. Clique no banner e participe!

 

 

Compartilhe


Élisabeth Roudinesco

Élisabeth Roudinesco

Psicanalista francesa

Historiadora e psicanalista francesa, é autora das biografias de Jacques Lacan e Freud.
Ver Bio completa