Jimmy Wales - Jimmy Wales responde a Pergunta Braskem: como aprofundar a geração de conhecimento virtual? | Fronteiras do Pensamento
Voltar para Notícias

Jimmy Wales responde a Pergunta Braskem: como aprofundar a geração de conhecimento virtual?

As ideias que movem o mundo em um único lugar. Cadastre-se e receba mensalmente o melhor do Fronteiras

Cadastrado com sucesso
Jimmy Wales no Fronteiras São Paulo (foto: Greg Salibian/Fronteiras do Pensamento)
Jimmy Wales no Fronteiras São Paulo (foto: Greg Salibian/Fronteiras do Pensamento)

Jimmy Wales foi o segundo convidado da temporada 2015 do Fronteiras do Pensamento (22/06, POA; 24/06, SP).

Após a conferência na capital paulista, intitulada Internet e a construção da democracia, o empreendedor norte-americano, cofundador da Wikipedia, respondeu a Pergunta Braskem, iniciativa que propõe o envio de questões de todas as partes do Brasil a serem respondidas do palco do Fronteiras.

Confira abaixo a pergunta de Jean Paul Lopes, professor da área da tecnologia, e a resposta de Jimmy Wales:

Participe da Pergunta Braskem. Envie suas questões para o e-mail digital@fronteiras.com na semana anterior aos encontros. Todos os conferencistas participarão da iniciativa. Conheça a programação do Fronteiras 2015 em Porto Alegre e São Paulo e prepare suas perguntas com antecedência.

Jean Paul Lopes: Como podemos estimular uma sociedade já viciada em informação na direção de aprofundar as pesquisas e a leitura, superando os "dois primeiros parágrafos" de texto ou os "dois primeiros links" nos mecanismos de busca? Como fazer para que a sociedade realmente comece a criar conhecimento a partir das informações que coleta? Não seria este excesso de informação instantânea e disponível na ponta dos dedos um mecanismo de destruição do conhecimento?

Jimmy Wales: É uma pergunta longa e multifacetada. A primeira coisa que nós precisamos ver é que a Internet precisa ser integrada à educação, ensinando jovens e universitários a filtrarem o conhecimento, a realmente usarem a Internet. Não estou falando do básico, falo de como avaliar várias fontes de informação.

Há 50 anos, a gama de fontes disponíveis para os alunos era pequena. Hoje em dia, você recebe de tudo – de pessoas loucas, blogs e websites ruins até literatura acadêmica, que também tem problemas, porque pode ser muito difícil de entender. Mas, os alunos precisam compreender que o acesso se dá desta maneira, isso é importante, é muito importante que ultrapassemos o consumo superficial de informação.

Eu sou uma pessoa otimista, porque observo na Wikipedia que, quando há um tópico popular no noticiário, vemos um tráfego muito grande para a Wikipedia, um tráfego profundo. As pessoas leem, tentam entender o que está por trás da informação. Há 40 anos atrás, você ligava o rádio, ouvia que algo terrível havia acontecido no Azerbaijão e pensava: “Azerbaijão? Eu sei mais ou menos onde é, mas não sei nada sobre o povo de lá. Eu devo ir à biblioteca." Mas, ninguém tinha tempo de ficar indo à biblioteca. Agora, o que eles fazem? Pegam o notebook ou o telefone e entram na Wikipedia para saber onde é o país, que língua falam, que tipo de Governo existe lá. Informam-se. Acho que as pessoas têm fome - as pessoas têm vontade de obter mais informação.

Jimmy Wales recebeu diversas perguntas do público presente no Teatro Cetip a respeito do tópico da conferência, a capacidade da Internet de promover a democracia. Reunindo algumas destas questões, o convidado respondeu:

Eu acho importante sair e protestar para pedir mudanças, mas não é esta a solução para muitos casos, a menos que haja um plano. Não basta apenas protestar, é preciso haver um plano. Por exemplo, no Occupy Wall Street, o objetivo não era bem claro e, então, as realizações ficaram muito confusas. Se estão perguntando qual é o meu conselho para o indivíduo, eu diria que é educação.

Aprenda o máximo que você puder. Aprenda a ser uma boa influência. Isso vale mais do que as baratas e básicas manipulações e declarações inflamadas, que deixam as pessoas iradas. Devemos mostrar que há mudanças institucionais que precisam acontecer e temos que fazê-lo de forma atraente. E isso é raro.

Encontro pessoas frustradas e digo para que se eduquem e se envolvam. Digo para que aprendam a escrever melhor, falar melhor. Mesmo que você ache que nunca será um editor ou um colunista famoso em algum grande jornal. Se você tiver influência em um grupo local pequeno... As pessoas têm, em média, 314 amigos no Facebook. Se você postar apenas coisas raivosas, não convencerá ninguém. Mas, se você tem ideias interessantes, você será aquele que as pessoas vão procurar para ver o que acha sobre determinado tema, porque você conhece muito sobre os problemas financeiros do país, por exemplo. As pessoas vão lhe perguntar e você estimulará um raciocínio para uma mudança. Isso é muito melhor do que dizer 'danem-se os banqueiros'.