Brian Greene quer ciência como parte da cultura

Postado em set. de 2014

Ciência

Brian Greene quer ciência como parte da cultura

Em entrevista ao G1, Brian Greene, especialista na Teoria das Cordas, exalta a popularização da ciência e aborda possíveis utilidades práticas do saber.


G1: É verdade que a física é complexa?
Brian Greene: Sim, é verdade. A Física é complexa e difícil, mas qualquer pessoa pode entender se passar o tempo suficiente pensando sobre ela e a conectando com suas experiências, pois tudo o que você faz tem física. Então se você entende física, entende a realidade.

G1: Se eu caminho, eu falo, eu faço física...
Brian Greene:
Sim, quando você caminha e fala, e gira em torno de em sua vida diária, tudo que está acontecendo é dirigido pela física. A fricção com o chão te permite caminhar, as leis newtonianas da física te permitem ir daqui para lá, e se você for sortudo o suficiente para andar na velocidade da luz – mas a maioria não o é –, aí entra a relatividade do Einstein.

G1: Gostaria que você falasse resumidamente sobre sua palestra.
Brian Greene:
Vou falar sobre a busca pelo sonho de Einstein, de achar o que ele chamava de teoria unificada de física, uma equação básica que poderia descrever tudo. Ele foi ao túmulo desejando poder encontrar essa teoria, mas não conseguiu. Mas nesse sentimento de falta, nós achamos que temos a teoria que Einstein procurava, e ela se chama Teoria das Cordas. São previsões estranhas e muito bizarras, entretanto achamos que pode ser o que Einstein procurava.

Tem características estranhas, como outras dimensões no espaço possivelmente, e até outros universos. Isso tudo são ideias especulativas, mas eu descrevo para a plateia porque estamos perseguindo uma teoria que tem implicações estranhas.

G1: Você acredita que o universo tem mais de três dimensões?
Brian Greene:
Não, eu não acredito em nada até que tenhamos experiências como apoio, mas acredito ser possível, e acredito que as leis da física e da matemática que presumimos sugerem esta possibilidade, sim. E creio que vale a pena a perseguirmos.

G1 : Quando você fala em outros universos, que não o nosso, há certo impacto sobre muitas crenças religiosas. Você acha que ainda seria possível acreditar em Deus se esta teoria for comprovada?
Brian Greene:
Sim, quero dizer, sua cabeça não vai explodir se você acredita em Deus e na física. Não há uma lei fundamental que impede nossas crenças. Pode muito bem ser que Deus esteja por trás de tudo o que observamos no universo, que ele tenha estabelecido as leis e tudo o que nós fizemos é desvendá-las. Por outro lado, eu não vejo uma evidência para isso, ao menos ainda não. Mas não há conflito fundamental em imaginar que há um Deus por trás de tudo.

G1: Então ainda é possível existir um Deus?
Brian Greene:
É possível que Deus exista? É possível que a Lua seja feita de queijo. Muitas coisas são possíveis. Tem as [coisas] em que você tem confiança, e as em que há suporte experimental e resultados de observação. E as leis da física são as que encontram este tipo de teorias.

G1: Qual a sua visão religiosa?
Brian Greene:
A religião naturalista. As leis da natureza são as com que me importo. As outras não importam.

G1: Você disse que o próximo passo no conhecimento da física vai ser tão grande quanto o passo que Einsten deu...
Brian Greene:
O futuro guarda muitas revoluções, que ainda virão, onde a imagem do universo vai radicalmente mudar. Acho que a mudança pode ser uma parte ou ir além do que veio com a perspectiva de Einstein.

G1: E este passo pode tornar possível falarmos sobre coisas que podem ter um impacto prático na vida, como viagem no tempo ou teletransporte?
Brian Greene:
Não tenho ideia se quaisquer dessas teorias das quais falamos tenham um impacto prático, mas direi isso: lá no início do século, pessoas estavam desenvolvendo mecânica quântica, e eles não sabiam se haveria impacto na vida diária. Mas agora, de fato, as pessoas têm telefones celulares e computadores, e há máquinas de MRI [imagem por ressonância magnética, na sigla em inglês] salvando vidas pelo mundo. Tudo o que tem um circuito integrado dentro, o que é mais ou menos tudo, conta com a física quântica. Todo e qualquer um de nós, quando segura um telefone celular, está segurando a mecânica quântica na palma de sua mão, o que é simplesmente dizer que ideias fundamentais podem ter um grande impacto. Só não sabemos onde, quando e o que será. Temos de permitir que a tecnologia siga seu curso.

G1: É natural que o nome de Einstein surja quando falamos sobre física. Seu grande drama foi ver seu conhecimento usado para guerras. Você acha que no futuro, com todos os passos que a humanidade dará, alguma teoria que você desenvolveu algum dia será usada para a guerra?
Brian Greene:
Os cientistas entendem profundamente a natureza. O que as pessoas fazem com este conhecimento é uma história completamente diferente. E não acho que se vá suprimir o conhecimento por medo de como ele poderia ser usado. Mas como um cientista, você dá seu melhor para explicar o que este conhecimento significa e como esse conhecimento pode ser usado. Mas basicamente está nas mãos de todos nós, do mundo, como este conhecimento será usado.

G1: Essa projeção não te incomoda?
Brian Greene:
Como qualquer outro ser humano na face desta terra, quero que o conhecimento seja usado para o bem, para tornar a vida melhor. Mas infelizmente não vivemos em um mundo em que tudo o que queremos acontece. Então fazemos o melhor, como cientistas, para tentar guiar as coisas em uma direção para o bem, em oposição ao mal, mas no final das contas, nenhum único indivíduo controla como a sociedade usará o conhecimento. É uma responsabilidade de todos nós descobrir e determinar como o conhecimento será usado.

G1: Sua participação no seriado The Big Bang Theory teve um propósito educacional ou foi apenas uma chance que você teve de ser parte de algo que você gosta?
Brian Greene:
O Big Bang Theory é entretenimento puro e simples. É bom que físicos sejam parte? Sim, isso humaniza um pouco eles, se é que podemos chamar Sheldon Cooper de humano [risos]. É um estereótipo, as pessoas gostam e é divertido estar no programa, mas basicamente, não, eu não acho que isso vá avançar a educação na ciência de uma forma significativa.

Acho que é bom se os cientistas estão por aí no mundo em arenas culturais significantes, que a ciência não seja vista como algo fora da cultura, mas como uma parte realmente orgânica da cultura. Então acho que é bom para cientistas estarem no The Big Bang Theory e outros grandes programas, principalmente para entender que a ciência é uma parte do tecido da vida.

G1: Você já viu o programa de televisão chamado Cosmos? O que achou?
Brian Greene:
É um grande programa. Neil [deGrasse Tyson, astrofísico e apresentador do programa] é um bom amigo meu, e faz um ótimo trabalho. Acho que este tipo de programa, sim, tem um impacto sobre os garotos. Eu já fiz meus próprios programas de televisão, e até 10 anos depois há meninos que vêm me dizer "agora me especializei em física, e isso começou quando vi seu programa na televisão". Sinceramente, não há nada mais gratificante que isso.

Compartilhe


Brian Greene

Brian Greene

Físico

Físico teórico norte-americano. Um dos mais destacados especialistas em Cosmologia e Física de Partículas na atualidade.
Ver Bio completa